Japão executa últimos membros de seita que lançou gás sarin no metrô

Arquivado em: Ásia, Destaque do Dia, Mundo, Últimas Notícias
Publicado quinta-feira, 26 de julho de 2018 as 10:33, por: CdB

Seis membros derradeiros da Aum Shinrikyo são enforcados após anos no corredor da morte. Em 1995, grupo lançou arma química no metrô de Tóquio, na hora do rush, matando 13 pessoas e ferindo mais de 6 mil

Por Redação, com DW – de Tóquio:

O Japão executou nesta quinta-feira os últimos membros de uma seita que haviam sido sentenciados à morte por participarem de um ataque com gás sarin no metrô de Tóquio nos anos 1990, afirmaram autoridades.

Televisão japonesa exibe rostos dos seis membros da seita que foram executados

Seis membros da seita Aum Shinrikyo (Verdade Suprema) foram executados por enforcamento nesta quinta-feira após anos aguardando no corredor da morte, elevando o número de membros do grupo mortos pelo Estado japonês para 13.

Em 1995, membros do grupo liberaram gás sarin, uma arma química que ataca o sistema nervoso, em cinco pontos ao longo da rede de metrô de Tóquio durante a hora do rush matinal, gerando caos na capital japonesa.

Treze pessoas morreram e mais de 6 mil ficaram feridas. Inúmeros passageiros tiveram dificuldades para respirar, alguns espumavam pela boca e sangravam pelo nariz.

O fundador e líder do culto, Shoko Asahara, e outros seis seguidores haviam sido executados há algumas semanas. Os membros executados nesta quinta-feira são Yasuo Hayashi, Satoru Hashimoto, Kazuaki Okazaki, Kenichi Hirose, Toru Toyoda e Masato Yokoyama.

– Ordenei as execuções depois de analisar o caso com extremo cuidado – disse a ministra da Justiça, Yoko Kamikawa. As autoridades queriam que as execuções fossem concluídas antes que o imperador do país abdicasse, em 2019, iniciando uma nova era imperial, uma vez que os crimes foram cometidos durante a era atual, do imperador Heisei.

Kamikawa não quis comentar o momento das execuções, depois de ser criticada por postagens nas mídias sociais mostrando que ela participou de uma festa regada a bebidas com o primeiro-ministro, Shinzo Abe, e outros políticos uma noite antes das primeiras execuções serem levadas a cabo.

Os membros da Aum Shinrikyo também foram condenados por outros crimes, incluindo um ataque com gás sarin na cidade de Matsumoto, ocorrido um ano antes do ataque de Tóquio, assim como o assassinato de um advogado anticultos e sua família. A série de crimes culminou na morte de um total de 27 pessoas, e muitos outros membros do grupo estão presos.

O culto que pregava a aproximação do fim do mundo foi desenvolvido por Asahara nos anos 80 e seus membros incluíam doutores e engenheiros que produziram os agentes químicos. Durante investigações no quartel-general do culto, na base do Monte Fuji, autoridades descobriram uma planta capaz de produzir gás sarin em quantidade suficiente para matar milhões de pessoas.

Na época dos ataques, o grupo tinha 11,4 mil membros no Japão e dezenas de milhares no exterior, segundo autoridades japonesas.

Pena de morte

O Japão é um dos poucos países desenvolvidos que mantém a pena de morte, que tem elevado apoio público apesar de críticas no exterior.

– Essa série de execuções sem precedentes, que levou à morte de 13 pessoas em algumas semanas, não deixa a sociedade japonesa nem um pouco mais segura – disse o pesquisador da Anistia International Hiroka Shoji. “Os enforcamentos não se encarregam de explicar por que as pessoas são atraídas por um guru carismático com ideias perigosas.”

Apesar do cumprimento da sentença para os últimos membros do culto, vítimas do ataque afirmaram ser difícil simplesmente seguir em frente.

– Com a morte dos 13 membros, talvez o caso esteja encerrado do ponto de vista da justiça criminal – disse Shizue Takahashi, cujo marido foi morto no ataque. “Mas o dano às vítimas continua mesmo depois das execuções. Para mim é muito difícil.”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *