Japão luta para levar ajuda a vítimas das piores enchentes em décadas

Arquivado em: Ásia, Mundo, Últimas Notícias
Publicado terça-feira, 10 de julho de 2018 as 13:48, por: CdB

Chuvas torrenciais desencadearam enchentes e deslizamentos de terra no oeste do Japão na semana passada, causando morte e destruição

Por Redação, com Reuters – de Tóquio:

O Japão se esforçou nesta terça-feira para restaurar a prestação de serviços essenciais depois que o pior desastre climático em 36 anos no país matou ao menos 155 pessoas, enquanto sobreviventes enfrentam riscos de saúde decorrentes das temperaturas altas e da falta de água, e as equipes de resgate mantêm uma busca desesperada por vítimas.

O Japão se esforçou nesta terça-feira para restaurar a prestação de serviços essenciais depois que o pior desastre climático em 36 anos no país

Chuvas torrenciais desencadearam enchentes e deslizamentos de terra no oeste do Japão na semana passada, causando morte e destruição, especialmente em localidades construídas décadas atrás perto de encostas íngremes. Cerca de 67 pessoas estão desaparecidas, disse o governo.

O primeiro-ministro japonês, Shinzo Abe, cancelou uma viagem ao exterior para lidar com o desastre, que a certa altura obrigou vários milhões de pessoas a deixarem suas casas.

Chuvas

O premiê recebeu algumas críticas depois que uma foto circulou pelo Twitter mostrando-o junto com o ministro da Defesa em um jantar com parlamentares na quinta-feira passada, quando as chuvas começaram a aumentar.

Abe viu sua aprovação se recuperar de um escândalo de suspeita de nepotismo e está determinado a evitar outros contratempos antes da eleição da liderança do partido governista em setembro.

A energia só não foi restaurada em 3.500 casas, mas mais de 200 mil pessoas continuam sem água sob um sol escaldante e temperaturas que chegam a 33 graus Celsius em algumas das áreas mais atingidas, como a cidade de Kurashiki.

“Surgiram pedidos para a instalação de ar-condicionado devido ao fato de as temperaturas terem passado dos 30 graus hoje, e ao mesmo tempo precisamos restaurar os meios de socorro”, disse o ministro das Finanças, Taro Aso, a repórteres após uma reunião de gabinete.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *