No Japão, papa Francisco rezará em cidades atingidas pela bomba atômica

Arquivado em: Ásia, Destaque do Dia, Mundo, Últimas Notícias
Publicado sábado, 23 de novembro de 2019 as 16:35, por: CdB

Francisco não escondeu seu fascínio pelo Japão. O Papa revelou que queria ser missionário no país quando era um jovem jesuíta, mas uma operação no pulmão o fez deixar de lado o seu sonho.

 

Por Redação, com Ansa – de Tóquio

 

Após passar pela Tailândia, o papa Francisco chegou neste sábado (23) ao Japão, a última etapa da sua viagem pelo continente asiático. O líder da Igreja Católica afirmou que está “muito feliz” de visitar o país e pediu para os bispos locais “cuidarem dos jovens”.

Na sua chegada a Tóquio, o papa Francisco reuniu-se com os bispos católicos do Japão
Na sua chegada a Tóquio, o papa Francisco reuniu-se com os bispos católicos do Japão

Francisco não escondeu seu fascínio pelo Japão. O Papa revelou que queria ser missionário no país quando era um jovem jesuíta, mas uma operação no pulmão o fez deixar de lado o seu sonho.

— Estou muito feliz pela oportunidade de visitar o Japão. Não sei se vocês sabem, mas desde jovem sinto simpatia e carinho por essas terras. Hoje, o Senhor me oferece a oportunidade de estar entre vocês como um peregrino missionário — disse Francisco na Nunciatura Apostólica com os bispos do Japão.

Suicídios

Na oportunidade, o argentino Jorge Mario Bergoglio pediu para os bispos japoneses cuidarem dos jovens do país e fez um alerta para o aumento do número de suicídios.

— Estamos cientes da existência de vários flagelos que ameaçam a vida de algumas pessoas das vossas comunidades, por várias razões atingidas pela solidão, o desespero e o isolamento. O aumento do número de suicídios nas vossas cidades, bem como o bullying e várias formas de consumo estão a criar novos tipos de alienação e desorientação espiritual. E como tudo isto atinge especialmente os jovens! Convido-vos a prestar atenção especial a eles e às suas necessidades — pediu o Papa.

Em seu discurso, Francisco agradeceu os japoneses pela “hospitalidade e cuidado” demonstrados “aos muitos trabalhadores estrangeiros, que representam mais da metade dos católicos” do país.

Bombardeio

No domingo, o Pontífice irá visitar Nagasaki e Hiroshima, que foram destruídas em 1945 por bombas atômicas dos Estados Unidos. Na ocasião, o ataque deixou mais de 200 mil mortos nas duas cidades japonesas.

Em sua visita por Nagasaki e Hiroshima, o Papa irá fazer um apelo a favor da eliminação de armas nucleares no mundo.

Francisco também revelou que irá rezar pelas vítimas do “catastrófico bombardeio”.

— Em breve, visitarei Nagasaki e Hiroshima, onde rezarei pelas vítimas do catastrófico bombardeamento destas duas cidades e darei voz aos vossos próprios apelos proféticos em prol do desarmamento nuclear. Desejo encontrar aqueles que sofrem ainda as feridas daquele trágico episódio da história humana, bem como as vítimas do ‘tríplice desastre’ — concluiu Francisco.