Jogadores abandonam partida da Champions League após acusação de racismo

Arquivado em: Destaque do Dia, Esportes, Futebol, Últimas Notícias
Publicado quarta-feira, 9 de dezembro de 2020 as 13:36, por: CdB

Durante jogo contra o PSG, camaronês membro da comissão técnica do Istanbul Basaksehir acusa quarto árbitro romeno de ofensa racista. Incentivados por Demba Ba, Neymar e Mbappé, atletas se retiram do gramado.

Por Redação, com DW – de Paris

Uma partida entre o Paris Saint-Germain (PSG) e o Istanbul Basaksehir, válida pela rodada final da fase de grupos da Champions League (Liga dos Campeões), foi interrompido, e, posteriormente, suspenso – após alegações de racismo contra o quarto árbitro, o romeno Sebastian Coltescu. Ambas as equipes abandonaram o gramado, em protesto.

Neymar acompanha de perto a discussão entre o árbitro romeno Ovidiu Hategan e o atacante Demba Ba, do Basaksehir
Neymar acompanha de perto a discussão entre o árbitro romeno Ovidiu Hategan e o atacante Demba Ba, do Basaksehir

O episódio transcorreu na noite desta terça-feira (08/12) no estádio Parque dos Príncipes, em Paris. Casos de racismo no futebol não são raros, especialmente no futebol europeu. Mas o incidente no Parque dos Príncipes causou ainda mais indignação por trazer um incomum elemento: a ofensa teria vindo de um oficial da arbitragem.

O tumulto se iniciou por volta dos 13 minutos do primeiro tempo, após o lateral brasileiro Rafael, que joga pelo Istanbul, ser punido com um cartão amarelo. Nesse momento, Coltescu comunicou ao árbitro principal, o também romeno Ovidiu Hategan, um ato de indisciplina no banco de suplentes da equipe turca.

Ao mencionar sobre qual pessoa se tratava, Coltescu disse “ala negru”, o que em romeno quer dizer “aquele negro”. A pessoa em questão era o ex-atacante camaronês Pierre Webó, membro da comissão técnica do Basaksehir. Webó se revoltou e questionou Coltescu, em inglês: “O que você falou? Por que você falou ‘negro’?”

Hategan se aproximou e deu cartão vermelho a Webó, o que desencadeou uma revolta generalizada dos membros da comissão técnica e reservas do Basaksehir.

“Por que usar a palavra ‘negro’?”

Entre os mais exaltados estava o atacante franco-senegalês Demba Ba, com passagens por Hoffenheim e Chelsea. Visivelmente revoltado, Ba bradou em inglês em direção aos árbitros: “Por que usar a palavra ‘negro’? Você nunca diz ‘esse cara branco’, você diz ‘esse cara’. Você tem que dizer ‘esse cara preto’? Por quê”?

– Na Romênia, ‘negru’ é uma referência ao tom de pele, jogador negro, e entre nós falamos em romeno – respondeu Coltescu.

Dirigentes das duas equipes foram ao gramado para entender a situação. A discussão em campo durou vários minutos, e a transmissão oficial da partida flagrou o momento em que as estrelas do PSG, Neymar e Kylian Mbappé, deixaram claro que não voltariam para o jogo caso Coltescu continuasse em campo.

Diante da passividade da arbitragem, os atletas de PSG e do Istanbul decidiram abandonar a partida. Inicialmente, o jogo foi declarado interrompido, e a Uefa divulgou um horário de reinício. Mas alguns jogadores da equipe turca se recusaram a entrar em campo caso Coltescu continuasse na equipe de arbitragem.

Posteriormente, a partida foi oficialmente suspensa e transferida para esta quarta-feira, com uma nova equipe de arbitragem. A Uefa anunciou também uma investigação interna do incidente no Parque dos Príncipes e reiterou que “o racismo e a discriminação em todas as suas formas não têm lugar no futebol”.

Nas redes sociais, o Istanbul publicou uma mensagem de combate ao racismo, usando inclusive o emblema e o slogan utilizado na campanha da própria Uefa. A mensagem foi replicada pelo PSG. Vários atletas, entre eles Neymar e Mbappé também publicaram mensagens de repúdio ao racismo.

O jogo é válido pela última rodada do Grupo H da Liga dos Campeões. Com a vitória do RB Leipzig contra o Manchester United, na terça-feira, o PSG garantiu sua classificação às oitavas de final. No entanto, o PSG precisa vencer o Istanbul para garantir a primeira colocação no grupo.

Polêmicas e instabilidade emocional

Os árbitros Hategan e Coltescu possuem um histórico de polêmicas e instabilidade emocional. Com várias decisões controversas em sua carreira no futebol romeno, Coltescu entrou em depressão após ser rebaixado na escala de arbitragem e tentou tirar a própria vida – um caso que teve grande repercussão na Romênia há 12 anos. Ele também perdeu recentemente seus pais. Esta seria sua última temporada como árbitro internacional, ele foi retirado da lista de árbitros da Fifa há duas semanas.

Há alguns anos, Hategan apitava o clássico romeno entre Dinamo Bucareste e Steaua Bucareste e ignorou o fato de que os torcedores do Dinamo entoavam sons de macaco em direção a Harlem Gnohere, atacante do Steaua e com passagem pelo Dinamo.

Hategan alegou que não sabia de que se tratava de algo racista, ele pensava que os torcedores estavam entoando um grito de guerra inspirado no filme “300”. Não houve punição, nem para Hategan, nem para o Dinamo.