Juristas aumentam pressão sobre as investigações a Sérgio Moro

Arquivado em: Política, Últimas Notícias
Publicado quinta-feira, 17 de fevereiro de 2022 as 16:34, por: CdB

A ABJD protocolou no dia 25 de janeiro uma representação no Ministério Público contra Moro. Por meio da representação, o grupo de juristas solicitou a instauração de um inquérito para apurar os valores e as condições da contratação do ex-juiz pela empresa, que é administradora judicial de empresas que foram investigadas pela Operação Lava Jato.

Por Redação – de São Paulo

A Associação Brasileira de Juristas pela Democracia (ABJD) solicitou ao Ministério Público no Distrito Federal, na véspera, a troca de procurador na investigação que apura a relação do ex-Ministro da Justiça Sérgio Moro (Podemos) com a empresa norte-americana de consultoria Alvarez & Marsal (A&M). A investigação também foi solicitada pela ABJD.

Moro
Moro tem sido cada vez mais pressionado a revelar detalhes de seu contrato com os norte-americanos

Atualmente, o processo está sob a alçada do procurador Marcus Marcelus Gonzaga Goulart, que já pediu arquivamento de uma notícia-crime apresentada pelo deputado federal Paulo Teixeira (PT-SP) sobre o mesmo caso. Para a associação de juristas, o pedido de investigação “não se enquadra nos critérios de distribuição por dependência, por não haver no presente nenhuma representação a ser analisada pelo procurador em questão sobre os mesmos fatos narrados em sua peça, que são novos, ou mesmas partes”.

A ABJD protocolou no dia 25 de janeiro uma representação no Ministério Público contra Moro. Por meio da representação, o grupo de juristas solicitou a instauração de um inquérito para apurar os valores e as condições da contratação do ex-juiz pela empresa, que é administradora judicial de empresas que foram investigadas pela Operação Lava Jato.

Conflito

Por isso, também pediu a investigação da relação entre Moro e as companhias assessoradas pela consultoria, como a Odebrecht. Moro permaneceu na A&M por 13 meses. O objetivo é verificar se Sergio Moro cometeu algum crime ao passar de juiz da Operação Lava Jato para funcionário da A&M, em benefício próprio, envolvendo conflito de interesses.

Em nota, a associação destacou que “Moro, enquanto juiz, julgou e condenou executivos das empresas clientes da Alvarez & Marsal no processo de recuperação judicial. Teve acesso a informações privilegiadas que possuíam potencial de impacto em favor de seu trabalho na empresa”.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

code