Justiça da Bolívia anula mandado de prisão contra Evo Morales

Arquivado em: América Latina, Destaque do Dia, Mundo, Últimas Notícias
Publicado terça-feira, 27 de outubro de 2020 as 12:45, por: CdB

Um juiz boliviano anulou na segunda-feira um mandado de prisão contra o ex-presidente Evo Morales, abrindo caminho para que ele retorne ao seu país sem correr o risco de detenção. Promotores emitiram em dezembro do ano passado o mandado de busca por sedição e terrorismo relacionadas.

Por Redação, com Reuters – de La Paz

Um juiz boliviano anulou na segunda-feira um mandado de prisão contra o ex-presidente Evo Morales, abrindo caminho para que ele retorne ao seu país sem correr o risco de detenção.

Evo Morales durante entrevista coletiva em Buenos Aires
Evo Morales durante entrevista coletiva em Buenos Aires

Promotores bolivianos emitiram em dezembro do ano passado o mandado de busca por sedição e terrorismo relacionadas a acusações do governo interino de que Morales havia causado agitação desde sua renúncia.

A investigação da denúncia que levou ao mandado ainda está em andamento, disseram autoridades judiciais. Os promotores planejam fazer uma intimação a Morales para que o ex-líder possa montar sua defesa perante os tribunais bolivianos.

A anulação do mandado abre uma janela para Morales voltar a entrar na Bolívia depois de mais de um ano vivendo no exílio enquanto o país era dirigido por uma administração provisória conservadora. O partido socialista de Morales voltou ao poder no início deste mês, quando os bolivianos elegeram Luis Arce como presidente, um aliado próximo do ex-líder.

Eleição contestada

Morales, que renunciou no ano passado após uma eleição contestada, voou para a Venezuela na sexta-feira depois de passar meses na Argentina, de acordo com a agência de notícias estatal argentina Télam. Ele não confirmou se vai viajar para a Bolívia ou uma data para seu retorno.

Morales continua a ser o presidente do partido de Arce, o Movimento ao Socialismo (MAS), mas Arce disse que qualquer influência do ex-presidente se limitará a essa posição.