Justiça do Rio julga Cabral por uso de helicópteros para fins particulares

Arquivado em: Polícia, Rio de Janeiro, Últimas Notícias
Publicado quarta-feira, 27 de junho de 2018 as 14:22, por: CdB

Nesse período, foram feitos quase 2,3 mil voos particulares de helicóptero, a maioria deles para a casa do ex-governador em Mangaratiba, na Costa Verde

Por Redação, com ABr – do Rio de Janeiro:

A Justiça do Rio está julgando o ex-governador Sérgio Cabral e a mulher dele, Adriana Ancelmo, pelo uso de helicópteros da frota do governo do Estado para fins particulares. Nesse período, foram feitos quase 2,3 mil voos particulares de helicóptero, a maioria deles para a casa do ex-governador em Mangaratiba, na Costa Verde.

O Ministério Público estadual acusa Cabral de ter utilizado o helicóptero, pelo menos, em 2.281 voos particulares

Na primeira audiência, feita na terça-feira, foram ouvidas as primeiras sete testemunhas de acusação. Por solicitação dos réus, Cabral e Adriana foram dispensados de participar das audiências de depoimentos das testemunhas.

O juiz Guilherme Schilling Pollo Duarte, da 32ª Vara Criminal do Rio de Janeiro, designou para o próximo dia 19 de julho, às 14 h, a continuação da audiência de instrução e julgamento da ação movida pelo Ministério Público do Rio de Janeiro contra o ex-governador Sérgio Cabral e a esposa, Adriana Ancelmo, acusados pelo crime de peculato, pelo uso particular de helicópteros do governo do estado para transporte de familiares, funcionários, políticos e amigos.

Voos para Mangaratiba

O Ministério Público estadual acusa Cabral de ter utilizado o helicóptero, pelo menos, em 2.281 voos particulares, durante seus dois mandatos como governador do estado (2007- 2010 e 2011- 2014).

Pelo mesmo crime, a ex-primeira-dama foi acusada de utilizar os helicópteros para voos privados, pelo menos 220 vezes. A maioria dos voos, segundo o MPRJ, tinha como destino o condomínio Portobello, em Mangaratiba.

Na audiência de hoje, prestaram depoimento como testemunhas seis pilotos de helicópteros que trabalhavam na época em que Cabral era governador e o procurador regional da República aposentado, Cosmo Ferreira, autor da ação civil pública, ajuizada em 2013, pedindo o ressarcimento ao erário dos recursos gastos por Cabral com voos irregulares.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *