Kim e Trump se mostram otimistas no início da cúpula em Hanói

Arquivado em: América do Norte, Ásia, Destaque do Dia, Mundo, Últimas Notícias
Publicado quarta-feira, 27 de fevereiro de 2019 as 13:06, por: CdB

Trump disse que acredita que a cúpula será “um sucesso” e negou ter diminuído suas expectativas sobre o processo de desnuclearização da Coreia do Norte, algo que muitos analistas atribuíram ao seu governo nas últimas semanas.

Por Redação, com EFE – de Hanói

O líder da Coreia do Norte, Kim Jong-un, e o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, iniciaram nesta quarta-feira em Hanói sua segunda cúpula em um ambiente mais leve e em meio a sinais de otimismo sobre o resultado de uma reunião cujo foco é fazer avançar no diálogo sobre desnuclearização.

Líder da Coreia do Norte, Kim Jong-un, e o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump

O encontro começou no hotel Sofitel Metropole, no centro da capital vietnamita, com Trump e Kim sorridentes e visivelmente relaxados e um aperto de mão de quase dez segundos diante de um fundo de bandeiras americanas e norte-coreanas intercaladas.

Lá, Trump disse que acredita que a cúpula será “um sucesso” e negou ter diminuído suas expectativas sobre o processo de desnuclearização da Coreia do Norte, algo que muitos analistas atribuíram ao seu governo nas últimas semanas.

Após o aperto de mãos, os dois tiveram uma breve reunião de cerca de 20 minutos, na qual Trump destacou que a Coreia do Norte tem um potencial econômico “tremendo, incrível, ilimitado” e prometeu ajudar Pyongyang a aproveitá-lo se as negociações sobre a desnuclearização prosperarem.

– Desejo ver como isso ocorre e ajudar para que ocorra – acrescentou o presidente americano.

Por sua vez, Kim disse ter “certeza” de que a cúpula “terá um bom resultado” e destacou que ambas as partes conseguiram “superar obstáculos e estar aqui hoje”, algo que, segundo ele, requer “muita paciência e esforço”.

Kim agradeceu, além disso, a “corajosa decisão” do presidente dos EUA de começar a dialogar com a Coreia do Norte, enquanto Trump afirmou que sua relação com o líder norte-coreano “é realmente boa”.

Antes de seguirem para o jantar, Trump voltou a ressaltar seu otimismo, dizendo que espera “um sucesso igual ou maior” ao da primeira cúpula, realizada há oito meses em Singapura.

O jantar, de uma hora e 45 minutos de duração, aconteceu no mesmo hotel em um ambiente aparentemente descontraído e com um ar quase íntimo, em contraste com o nervosismo inicial e o tom sério que caracterizou boa parte da primeira cúpula.

Ambos se sentaram um ao lado do outro, não frente a frente, como no almoço em Singapura, em uma pequena mesa preparada para eles e seus seis acompanhantes.

Ao seu lado jantaram seus respectivos tradutores, o secretário de Estado dos EUA, Mike Pompeo, o chefe de gabinete interino de Casa Branca, Mick Mulvaney, o chanceler norte-coreano, Ri Yong-ho, e o principal responsável de inteligência de Pyongyang, Kim Yong-chol.

Trump destacou que era agradável poder aproveitar um jantar privado, embora tenha dito que certamente seria “muito rápido”, pois ambos terão “um dia muito cansativo” pela frente na quinta-feira, para quando estão previstas as reuniões de trabalho.

Por sua vez, Kim afirmou que ambos terão “um diálogo muito interessante” e que espera que isso leve a uma “situação extraordinária”.

Ainda não se sabe qual será a agenda de amanhã, mas acredita-se que o formato pode ser similar ao de Singapura, quando ambos se reuniram tanto a sós como acompanhados por seus assessores durante o único dia que durou o encontro.

Espera-se que o resultado desta cúpula sirva para impulsionar o processo de desnuclearização planejado em Singapura, que quase não teve avanços pela falta de um roteiro.

Nesse sentido, acredita-se que a Coreia do Norte pode oferecer um desarmamento parcial centrado no seu complexo nuclear de Yongbyon, onde produz seu combustível para bombas atômicas e o qual Kim já se ofereceu a desmantelar “permanentemente” em troca de “medidas correspondentes” da Casa Branca.

Essas medidas podem passar por um relaxamento de sanções que permita reviver projetos de cooperação econômica entre as duas Coreias, e uma declaração política para acabar com a Guerra da Coreia (1950-53), que terminou com um cessar-fogo e não um tratado de paz.

Ao ser perguntado sobre a possibilidade que ambos os países assinarem alguma declaração de paz bilateral, Trump se limitou a que “já veremos”, embora em todo caso não tenha descartado a assinatura de um documento que poderia ajudar a pôr fim à guerra declarada há quase 70 anos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *