Klopp critica VAR após empate do Liverpool com o Manchester United

Arquivado em: Destaque do Dia, Esportes, Futebol, Últimas Notícias
Publicado segunda-feira, 21 de outubro de 2019 as 12:58, por: CdB

As regras do Campeonato Inglês referentes ao VAR permitem que o sistema anule uma decisão do árbitro somente no caso de um erro claro e óbvio.

Por Redação, com Reuters – de Londres

O técnico do Liverpool, Juergen Klopp, criticou a tecnologia do árbitro de vídeo (VAR) depois do empate de 1 a 1 de seu time na visita ao Manchester United no domingo, dizendo que a maneira como o sistema está sendo usado na Inglaterra “não faz muito sentido”.

Klopp, durante partida do Liverpol com Manchester United
Klopp, durante partida do Liverpol com Manchester United

Klopp ficou contrariado quando o Liverpool não recebeu uma cobrança por uma “falta clara” em Divock Origi durante o lance que culminou no gol do United no primeiro tempo do jogo, em que seu clube perdeu pontos na liga inglesa pela primeira vez nesta temporada.

As regras do Campeonato Inglês referentes ao VAR permitem que o sistema anule uma decisão do árbitro somente no caso de um erro claro e óbvio.

– Este é um problema que temos que debater – disse o chefe do Liverpool a repórteres. “Eu estava 100% certo que o VAR anularia (o gol do United)”, acrescentou.

– O árbitro deixou o jogo correr porque tem o VAR, mas o VAR diz e depois não ficou claro… isso não faz muito sentido. É um problema claro do VAR como lidamos com isso no momento – disse.

– Não estou bravo nem nada. Tenho certeza de que (o árbitro) Martin Atkinson teria apitado se não houvesse o VAR, mas deixou passar.

Marcus Rashford abriu o placar para o United, que foi frustrado pelo gol de empate de Adam Lallana, reserva do Liverpool, a cinco minutos do final.

O treinador do Manchester, Ole Gunnar Solskjaer, discordou da avaliação de Klopp a respeito do incidente com Origi e elogiou o árbitro por permitir que a partida prosseguisse.

Apesar da igualdade, o Liverpool ainda tem uma vantagem de seis pontos sobre o segundo colocado Manchester City, enquanto o United é o 13º da tabela.

Racismo

Reverenciado por seu talento, em campo, e atacado por neofascistas e racistas, nas arquibancadas, o atacante do Liverpool Sadío Mané, nascido no Senegal, destoa dos jogadores que faturam alto no mundo do futebol. Para o atleta, é mais importante atuar socialmente do que gastar fortunas com itens de alto luxo.

— Para que quero 10 Ferraris, 20 relógios com diamante e dois aviões? O que faria isso pelo mundo? Eu passei fome, trabalhei no campo, joguei descalço e não fui ao colégio. Hoje posso ajudar as pessoas. Prefiro construir escolas e dar comida ou roupa às pessoas pobres — disse o atacante do Liverpool em recente entrevista à rede senegalesa de TV Teledakar.

Para Sadío, é mais recompensador fazer ações sociais em seu país e buscar propor soluções para combater a fome e a miséria presentes em seu país. Seus principais focos são renda e educação.

— Construí escolas, um estádio, proporcionamos roupa, sapatos e alimentos para pessoas em extrema pobreza — acrescentou.

Doações

O jogador também faz doações para uma comunidade do país africano.

— Doo 70 euros por mês a todas as pessoas em uma região muito pobre de Senegal para contribuir com sua economia familiar — afirmou.

Técnico de Mané no Liverpool, o treinador Jurgen Klopp, ao lado de outros técnicos da Premier League, principal campeonato da Inglaterra, elogia o atacante e faz um discurso contra o racismo no futebol. Após repetidos casos de injúria racial na liga inglesa, treinadores como Klopp, Pep Guardiola, Maurizio Sarri e  Maurizio Pochettino ameaçaram abandonar partidas e retirar seus times de campo.

— O problema não é sobre o futebol em si, é a sociedade, o que está acontecendo na sociedade. A extrema direita está avançando e a mensagem que eles usam para ganhar votos, eleições, não nos deixa seguros. Não é um problema do futebol, é a própria sociedade — afirmou Pep Guardiola, técnico do Manchester City.

Bayern

Alfred Finnbogason, do Augsburg, marcou nos acréscimos do segundo tempo para arrancar um empate por  2 a 2 contra o Bayern de Munique, neste sábado, e negar ao rival local a liderança do Campeonato Alemão.

O Bayern de Munique, cujo zagueiro Nikas Süle sofreu uma suspeita de lesão no ligamento do joelho, pode culpar apenas a si mesmo por não ter vencido pela segunda rodada consecutiva, após ter desperdiçado uma série de chances e acertado a trave no que foi uma partida amplamente desigual contra um adversário mais fraco.

O Bayern permaneceu em terceiro lugar com 15 pontos, empatado com o quarto colocado Borussia Dortmund, que venceu o líder Borussia Monchengladbach, por 1 a 0, e o quinto RB Leipzig. O Gladbach está em primeiro lugar com 16, ao lado do Wolfsburg.

O Wolfsburg permaneceu em segundo, também com 16 pontos, depois que Wout Weghorst marcou o gol de empate, aos 37 minutos do segundo tempo, para resgatar um ponto contra o Leipzig, que caiu para quinto, com 15. O Schalke 04, com 14, assumirá a liderança se vencer o Hoffenheim, no domingo.

O Augsburg surpreendeu o Bayern com um gol aos 28 segundos, quando Marco Richter pegou de primeira após uma cabeçada de Rani Khedira.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *