Lagoa de Piratininga registra mortandade de peixes em Niterói

Arquivado em: Destaque do Dia, Rio de Janeiro, Últimas Notícias
Publicado quinta-feira, 27 de dezembro de 2018 as 11:39, por: CdB

A Prefeitura de Niterói informou, em nota, que técnicos vão analisar o oxigênio dissolvido na água e as espécies de peixes afetadas.

Por Redação, com ABr – do Rio de Janeiro

Mais um caso de mortandade de peixes foi registrado no Estado do Rio de Janeiro. Dessa vez, o caso aconteceu na Lagoa de Piratininga, em Niterói. Segundo a Companhia de Limpeza de Niterói (Clin), cerca de 1,5 tonelada de resíduos sólidos já foram retirados do local, desde quarta-feira, quando foi constatado o fenômeno.

Mais um caso de mortandade de peixes foi registrado no Estado do Rio de Janeiro

Uma equipe do Instituto Estadual do Ambiente (Inea) fez uma vistoria no local e constatou que a mortandade ocorreu em razão das altas temperaturas, aliadas ao assoreamento da lagoa (acúmulo de sedimentos), em conjunto com a entrada de ventos e chuvas ao fim do dia. Tais fatores favorecem a redução do oxigênio dissolvido na água, que ocasiona a morte de peixes.

A Prefeitura de Niterói informou, em nota, que técnicos vão analisar o oxigênio dissolvido na água e as espécies de peixes afetadas. Além disso, o município está finalizando o projeto executivo do Parque Orla de Piratininga, que inclui a recuperação ambiental da Lagoa.

Segundo a prefeitura, a pavimentação das vias no entorno da lagoa está sendo feita para reduzir a chegada de sedimentos na água. O município está desenvolvendo também um projeto de renaturalização do Rio Jacaré, principal rio que deságua na lagoa.

O trabalho de limpeza ainda não tem previsão para acabar porque a companhia depende que os peixes mortos boiem para as margens da lagoa, já que a companhia não faz o recolhimento dentro d’água. Segundo a Clin, o trabalho será realizado enquanto houver resíduos.

Outro caso

Esse é o segundo caso de mortandade de peixes no estado em uma semana. O primeiro ocorreu na última quinta-feira, na Lagoa Rodrigo de Freitas, na Zona Sul da cidade do Rio. Depois de três dias de trabalho, a Companhia de Limpeza Urbana (Comlurb) recolheu 55,1 toneladas de peixes mortos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *