Lava Jato faz buscas em Lisboa contra operador financeiro

Arquivado em: Brasil, Destaque do Dia, Últimas Notícias
Publicado terça-feira, 25 de setembro de 2018 as 12:36, por: CdB

Os mandados foram cumpridos contra o operador financeiro Mário Lldeu de Miranda, que já havia sido alvo de uma etapa anterior da Lava Jato.

Por Redação, com Reuters – de Brasília/Lisboa

A Polícia Federal e o Ministério Público Federal, em parceria com autoridades de Portugal, cumpriram nesta terça-feira cinco mandados de busca e apreensão em endereços de Lisboa ligados a um operador financeiro suspeito de viabilizar o pagamento de propina de ao menos US$ 11,5 milhões no exterior em decorrência de contrato firmado pela Petrobras com a Odebrecht, informaram a PF e o MPF.

Lava Jato cumpre mandados de busca em Lisboa contra operador financeiro

Os mandados foram cumpridos contra o operador financeiro Mário Ildeu de Miranda, que já havia sido alvo de uma etapa anterior da Lava Jato deflagrada em maio na qual havia mandados de prisão e de busca e apreensão no Brasil ligados a ele.

De acordo com as investigações, Miranda teve participação decisiva para que recursos na ordem de pelo menos US$ 11,5 milhões chegassem a contas secretas mantidas no exterior por funcionários da Petrobras.

O valor

O valor representa parte de uma propina total superior a US$ 56,5 milhões relacionada a um contrato de mais de US$ 825 milhões firmado em 2010 pela Petrobras com a Odebrecht, segundo as autoridades.

Apesar do mandando de prisão expedido contra Miranda em maio, a PF não conseguiu prendê-lo à época porque o suspeito havia deixado o país com destino a Portugal. Posteriormente, o operador se apresentou às autoridades brasileiras, mas a PF e o MPF solicitaram à Justiça a realização de buscas em Portugal para procurar malas e dispositivos pessoais que ele teria levado ao exterior.

– As buscas nos endereços de Mario Ildeu de Miranda, realizadas nesta data em Lisboa, têm por objetivo apreender os documentos e dispositivos eletrônicos que possam estar escondidos naquele país, além de identificar provas de outros crimes, ainda não denunciados, para a continuidade das investigações – disse o MPF em comunicado.

Miranda pagou fiança de R$ 10 milhões e responde ao processo em liberdade. Não foi possível localizar de imediato representantes do investigado.

As medidas cumpridas em Portugal correspondem à segunda fase internacional da Lava Jato. A primeira fase realizada no exterior, também em Lisboa, ocorreu em 21 de março de 2016, e teve como alvo outro operador financeiro do esquema de corrupção.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *