Língua portuguesa, quinta mais falada na internet, sofre influências globais

Arquivado em: Destaque do Dia, Educação, Ensino Básico, Ensino Médio, Últimas Notícias, Universidade
Publicado sábado, 5 de maio de 2018 as 17:08, por: CdB

Pelas estatísticas mais recentes, a língua portuguesa é a quinta mais usada para se comunicar na Internet.

 

Por Redação, com Sputnik Brasil – de Lisboa

 

No Dia da Língua Portuguesa e da Cultura da CPLP, neste 5 de maio, o tema foi alvo de debates noa países lusófonos. Quinto idioma mais falado na rede mundial de computadores, o português tem sido bombardeado, na era digital, por influências externas severas.

A língua portuguesa une uma série de países na CPLP
A língua portuguesa une uma série de países na CPLP

Neste sábado, a agência russa de notícias Sputnik Brasil falou com a professora catedrática Inês Duarte; ex-vice-reitora da Universidade de Lisboa, sobre os desafios enfrentados pelo idioma e as perspectivas de este vir a ser língua oficial na ONU.

Pelas estatísticas mais recentes, a língua portuguesa é a quinta mais usada para se comunicar na Internet, o que de fato não corresponde à posição do português em termos de número de falantes no mundo, observa a professora.

Enciclopédia global

De acordo com ela, isso é um sinal de que “na realidade; há condições nas comunidades que falam português para fundar recursos que outras comunidades, infelizmente, ainda não têm”.

Quanto ao possível aumento ulterior da presença do português na Internet, Inês Duarte frisa que isso depende muito das condições dos países africanos e do Brasil; da capacidade dos demais países de língua oficial portuguesa de assegurarem uma Internet suficientemente rápida e econômica.

Entretanto, sublinha a professora, é importante não apenas o volume das informações em certa língua. Mas a sua confiabilidade e importância prática; sendo a Internet uma enciclopédia global onde “praticamente se encontra informação sobre tudo”.

— Hoje em dia, é uma condição para muitas coisas. É importante cientificamente; do ponto de vista econômico, para as relações comerciais; para entretenimento — realça.

Cultura

Falando dos desafios que se colocam à língua portuguesa, a professora Inês Duarte opina que são os mesmos que enfrentam quaisquer “línguas de cultura”.

Tal termo se usa no seu sentido técnico, ou seja, quando falamos de uma língua que tem literatura, instrumentos de normalização como gramática, pontuação, ortografia e assim por diante. Para tais “línguas de cultura”, acredita a especialista, o problema é de fato comum — a predominância do inglês em todas as áreas.

— (O que é) certo é que pelo menos por enquanto, (…) a grande língua de ciência e tecnologia é a língua inglesa. Todas as outras línguas, e nós não estamos sozinhos, mesmo a espanhola, o francês. São línguas que têm de saber preservar a sua identidade, de continuar a ser uma língua de cultura; de ciência e tecnologia — manifesta.

Fóruns internacionais

Deste modo, a principal tarefa para evitar o processo da predominância linguística inglesa consiste, segundo a professora, na produção de conhecimentos e escrita literária em português; “seja qual for a variedade nacional” que estamos considerando.

— Para assegurar que não perdemos demasiado terreno, é preciso haver medidas, portanto, que se espera venham a ser tomadas. E que ultrapassam, em muito, a procura de um acordo ortográfico; ou seja lá o que for.

Tem que ver com uma atenção muito grande dada à comunicação da ciência em português para os cidadãos que têm o português como língua materna; ou como segunda língua — enfatiza. Duarte se refere ao problema da partilha de investigação; que é frequentemente feita em inglês, nas universidades e grandes fóruns internacionais.

Discordâncias internas

Entretanto, assegura a especialista, não são as contingências externas que ameaçam a língua portuguesa. Na verdade, na opinião dela; trata-se de desentendimentos que existem no próprio mundo lusófono.

— O que nos ameaça é que, na realidade, nós não temos terminologias estáveis; negociadas entre os vários países de língua portuguesa. Cada um traduz à sua maneira os termos científicos. Não há, portanto, um cuidado na tradução das bulas dos medicamentos — explica a professora Inês Duarte.

É isso que talvez impeça, inclusive, o reconhecimento do português como língua de trabalho nas Nações Unidas, sugere. Ao mesmo tempo, caso o Brasil realmente venha a se tornar membro permanente do Conselho de Segurança; como aspira há muito tempo, isso teria um imenso significado.

Países lusófonos

Falando da possibilidade de o português vir a ser língua oficial da ONU, a professora indicou que, “do ponto de vista simbólico é extremamente importante, no fundo é o reconhecimento de que existe uma comunidade que se revê numa única língua, embora com variedades nacionais, umas mais ou menos fixadas e outras ainda emergentes. Mas que, claramente, se identifica como uma língua com variedades diferentes e uma comunidade que está espalhada por vários continentes”.

Em resumo, a interlocutora ressalta que qualquer patrimônio linguístico deve ser não só preservado, como estudado, e nessa questão um dos maiores problemas é o pouco investimento na investigação sobre a língua portuguesa, algo que cabe aos governos dos países lusófonos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *