Na lua gelada de Encélado, em Saturno, correntes oceânicas se parecem com as da Terra

Arquivado em: Destaque do Dia, Mundo, Natureza, Últimas Notícias, Universo
Publicado sábado, 27 de março de 2021 as 17:34, por: CdB

Encélado, uma das 82 luas que orbitam Saturno, é coberto por quilômetros de gelo, o que torna sua superfície a mais refletiva do Sistema Solar. A presença de água abaixo da superfície gelada e vários ingredientes químicos tornam este satélite natural um dos mais desejáveis para os cientistas estudarem e procurarem vida extraterrestre.

Por Redação, com Sputniknews – de Moscou

Sob uma camada de mais de 20 quilômetros de gelo, o oceano subterrâneo da lua Encélado, sexto maior satélite natural de Saturno, parece estar agitado como as correntes oceânicas da Terra.

A lua de Encélado, em Saturno, tem uma camada de gelo de aproximadamente 20 quilômetros

Encélado, uma das 82 luas que orbitam Saturno, é coberto por quilômetros de gelo, o que torna sua superfície a mais refletiva do Sistema Solar. A presença de água abaixo da superfície gelada e vários ingredientes químicos tornam este satélite natural um dos mais desejáveis para os cientistas estudarem e procurarem vida extraterrestre.

Em um novo estudo feito por pesquisadores de instituições variadas, eles afirmam que por baixo do gelo há correntes oceânicas semelhantes às da Terra. A suposição desafia a teoria atual de que o oceano é homogêneo. Os resultados foram publicados na edição deste mês da revista científica Nature Geoscience.

Equador

Os cientistas utilizaram dados obtidos pela sonda Cassini, que examinou Saturno e seu sistema, o anel do planeta e os satélites, bem como o trabalho de outros cientistas como Andrew Thompson, que estuda como o gelo e a água interagem e causam a mistura dos oceanos em torno da Antártica.

Assim como os oceanos da Terra, o de Encélado é salgado. O novo estudo afirma que as variações na salinidade podem servir à força motriz das correntes da lua de Saturno, assim como fazem na Antártica. Além disso, a sonda Cassini mostrou anteriormente que o gelo de Encélado tem espessura variável, é mais fino nas regiões polares do que no equador, o que os cientistas acreditam ter a ver com o derretimento e congelamento do gelo e, segundo o novo estudo, pode afetar as correntes oceânicas.

“Quando a água salgada congela, ela libera o sal e torna a água ao redor mais pesada, fazendo com que ela afunde […] Saber a distribuição do gelo nos permite colocar restrições aos padrões de circulação”, afirma em comunicado Ana Lobo, principal autora do artigo.

Sonda espacial

Encélado é um dos alvos mais importantes para cientistas em busca de vida extraterrestre. Outro candidato é Europa, lua de Júpiter, que supostamente tem mais água do que todos os oceanos da Terra. No entanto, para que um corpo celeste sustente a vida, deve haver vários ingredientes químicos, tais como carbono, hidrogênio, nitrogênio, oxigênio, fósforo e enxofre.

A sonda Cassini mostrou que o satélite natural de Saturno tem quase todos esses ingredientes. Além disso, acredita-se que Encélado tenha atividade hidrotérmica em alto mar, anteriormente visto apenas na Terra.

A agência espacial norte-americana NASA está atualmente testando um protótipo de um rover subaquático, chamado BRUIE, que a agência espacial planeja enviar a Encélado e a Europa em busca de vida extraterrestre.