‘Lula merece um julgamento digno’, repete o ministro do STF Gilmar Mendes

Arquivado em: Política, Últimas Notícias
Publicado terça-feira, 2 de fevereiro de 2021 as 17:08, por: CdB

A declaração veio após especulações de um possível golpe no Brasil, com a hipótese de o Judiciário aceitar a suspeição Moro na condenação de Lula, porém sem devolver os direitos políticos do petista, para não deixá-lo, eventualmente, disputar a eleição de 2022.

Por Redação – de Brasília

Ministro do Supremo Tribunal Federal, Gilmar Mendes afirmou, nesta terça-feira, que o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva “merece um julgamento digno”.

Ministro do STF, Gilmar Mendes levará sua decisão ao julgamento do Plenário da Corte

— Nós temos que encerrar com essa preocupação midiática de julgar o Lula tendo em vista esse desiderato: fazê-lo inelegível. Eu digo sempre: Lula é digno de um julgamento justo — disse ele a jornalistas.

A declaração veio após especulações de um possível golpe no Brasil, com a hipótese de o Judiciário aceitar a suspeição Moro na condenação de Lula, porém sem devolver os direitos políticos do petista, para não deixá-lo, eventualmente, disputar a eleição de 2022.

Parcialidade

Em outra entrevista, Gilmar havia apontado condutas ilegais de Sérgio Moro ao afirmar que o ex-juiz trabalhava na Operação Lava Jato “como se fosse o coordenador do grupo de procuradores”.

Em novos diálogos obtidos pela defesa de Lula, no âmbito da Operação Spoofing, Deltan Dallagnol deixou clara a parcialidade da operação.

— O material que o Moro nos contou é ótimo. Se for verdade, é a pá de cal no 9 e o Márcio merece uma medalha — disse o então procurador.

Vaza Jato

Em uma das mensagens, trocadas em 16 de fevereiro de 2016 e incluída pela defesa de Lula na ação, Moro perguntou a Dallagnol se os procuradores têm uma “denúncia sólida o suficiente”.

De acordo com a Vaza Jato, Moro também chegou a questionar a capacidade de a procuradora Laura Tessler participar de audiências que envolvessem o ex-presidente Lula, condenado sem provas no processo do triplex em Guarujá (SP), após ser acusado de ter recebido um apartamento como propina da OAS. O petista nunca dormiu nem tinha a chave do imóvel.