Lula: Não adianta ficar chorando por causa dos subsídios da UE

Arquivado em: Arquivo CDB
Publicado sexta-feira, 6 de junho de 2003 as 22:45, por: CdB

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva disse nesta sexta-feira no Alto Araguaia, Mato Grosso, que o Brasil não deve “ficar chorando” nas negociações com a União Européia e os Estados Unidos e que é preciso ter ousadia para vender seus produtos no exterior.

– O Brasil tem que entender que em comércio exterior ninguém faz concessão. Não adianta a gente ficar chorando para a União Européia diminuir os subsídios que eles dão para os seus agricultores. Ele não vão reduzir – disse o presidente.

Lula justificou que não há interesse político dos outros países para reduzir seus subsídios, e exemplificou o caso dos Estados Unidos, que produzem álcool de milho com um custo três vezes maior do que o de cana, produzido no Brasil.

– Já que nós temos esse problema, não adianta a gente ficar chorando. Ninguém respeita negociador que chora ou que anda de cabeça baixa -disse.

Referindo-se à sua presença na reunião do G8 (países mais industrializados do mundo) no final de semana passado, Lula disse que o Brasil não deve nada a nenhum país do mundo tanto na capacidade tecnológica quanto na produtividade agrícola.

– Entretanto, se nós não tivermos ousadia de ir lá para fora e vender nosso produto. Nós é que temos que ter a preocupação de ir lá e dizer que nós existimos, nós temos competência, nós temos produtos e nós queremos disputar em igualdade de condições – completou o presidente.

Lula foi ao Mato Grosso para a inauguração da segunda etapa da Ferronorte, ferrovia que liga Aparecida do Tabuá, no Mato Grosso do Sul, a Alto Taquari, no Mato Grosso.

Acompanhado do ministro dos Transportes, Anderson Adauto, o presidente prometeu terminar a ferrovia até Rondonópolis. Lula disse ainda que deve anunciar três programas governamentais este mês. O Primeiro Emprego, um plano de safra e um programa de crédito para cooperativas.

– O Brasil não pode esperar e sobretudo a parte mais pobre da população não tem muito tempo para esperar – disse.

Lula também fez referência às taxas de juros, ao dizer que o crédito para cooperativas poderia ajudar a baixá-las.

– Nós vamos mostrar que será através das cooperativas de crédito que a gente vai reduzir as taxas de juros neste país, que a gente vai gerar emprego, que a gente vai ajudar o pequeno e médio produtor.

O presidente encerrou sua agenda no Mato Grosso e passa o final de semana em São Bernardo do Campo. Ele disse durante discurso que é na cidade do ABC paulista que vai morar quando terminar seu mandato.