Lula recebe mensagens vazadas e Moro fica em situação ainda mais delicada

Arquivado em: Política, Últimas Notícias
Publicado terça-feira, 12 de janeiro de 2021 as 16:47, por: CdB

Os diálogos tendem a comprovar que o ex-juiz atuou com parcialidade nos processos contra o líder petista, o que amplia sua suspeição. Uma vez considerado suspeito, cresce a possibilidade da devolução dos direitos políticos ao ex-presidente.

Por Redação – de Brasília e São Paulo

A defesa do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva confirmou à reportagem do Correio do Brasil, na manhã desta terça-feira, que está de posse das mensagens apreendidas na Operação Spoofing, da Polícia Federal (PF). As mensagens incluem diálogos trocados entre o ex-juiz Sergio Moro e o procurador Deltan Dallagnol, ex integrantes da força-tarefa.

Sérgio Moro tem evitado a imprensa desde que uma crise entre ele e o presidente Jair Bolsonaro foi deflagrada
Sérgio Moro tem evitado a imprensa desde que deixou o Ministério da Justiça e Segurança Pública e partiu para a iniciativa privada

Os diálogos tendem a comprovar que o ex-juiz atuou com parcialidade nos processos contra o líder petista, o que amplia sua suspeição. Uma vez considerado suspeito, cresce a possibilidade da devolução dos direitos políticos ao ex-presidente.

O pedido de acesso foi feito pela defesa de Lula ao ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Ricardo Lewandowski e acatado pelo ministro em 28 de dezembro. Os advogados do petista enviaram um comunicado ao gabinete de Lewandowski no qual relatam ter retirado, na Superintendência da Polícia Federal do Distrito Federal, dois HDs externos com os arquivos.

Suspeição

Em linha com a decisão de Lewandowski, o ministro Gilmar Mendes, do STF, confirmou que ação contra Moro, na sentença expedida contra o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva deverá entrar na pauta da Corte ainda neste semestre. Mendes disse, publicamente, ser favorável a que o julgamento ocorra de maneira presencial na 2ª Turma do STF mas, devido à indefinição no cronograma de vacinação, o ministro acredita que o escrutínio ocorrerá no Plenário virtual.

— É possível que no primeiro semestre a gente já julgue este caso, que é extremamente importante e relevante. Tenho dito sempre que é importante que nós possamos propiciar ao ex-presidente Lula um julgamento digno do nome, que possamos avaliar os argumentos que ele suscita de eventual parcialidade ou imparcialidade da força tarefa de Curitiba — afirmou.

O habeas corpus que pede a suspeição de Sérgio Moro na sentença que condenou Lula no caso do triplex teve um pedido de vista em 2018 pelo ministro Gilmar Mendes. Na ocasião, votaram contra o pedido o ministro Edson Fachin e a ministra Cármen Lúcia. Faltam os votos de Gilmar Mendes, Ricardo Lewandowski e Nunes Marques.

Empreiteiras

Moro, que deixou o ministério da Justiça e Segurança Pública no ano passado, é hoje sócio-diretor da Alvarez & Marsal, uma consultoria norte-americana que presta serviços no Brasil para as empreiteiras Odebrecht, OAS, Queiroz Galvão e Sete Brasil. Todas essas empresas foram arrasadas financeiramente por decisões do ex-juiz no âmbito da Operação Lava Jato.

Enquanto exercia o magistério, o então juiz não se preocupou em poupar a engenharia nacional e os empregos do setor. Mas foi generoso com os empresários nas delações premiadas. A Odebrecht, desmontada pelas decisões do titular da Vara Federal de Curitiba, tem agora o seu antigo algoz no comando de sua recuperação judicial.

Até agora, segundo dados obtidos pela reportagem do Correio do Brasil, a firma que tem Moro entre seus diretores já faturou R$ 17,6 milhões em serviços prestados para a Odebrecht. Idem com a OAS, que deverá desembolsar cerca de R$ 15 milhões para a empresa norte-americana até o fim do contrato.

Mesmo se for considerado suspeito no julgamento do ex-presidente Lula, a situação financeira de Moro parece garantida.