MA: Shell deve devolver combustível fora dos padrões à Venezuela

Arquivado em: Arquivo CDB
Publicado sábado, 6 de dezembro de 2003 as 13:39, por: CdB

Dois navios, um com 10 mil toneladas e outro, com 40 mil toneladas de óleo chegaram nesta sábado a São Luís para garantir o abastecimento dos mercados que seriam atendidos pelas 45 mil toneladas do produto, importadas pela Shell, e retidas no Porto do Itaqui, em São Luís, porque não atendiam aos padrões de qualidade exigidos pela Agência Nacional de Petróleo (ANP).

Na próxima segunda-feira um terceiro navio deverá atracar no terminal maranhense. O carregamento de emergência foi providenciado pela direção da Petrobras para garantir a normalidade do abastecimento do produto em estados do Norte e Nordeste.
    

De acordo com a Assessoria de Comunicação da Shell, a carga retida será devolvida para a Venezuela. A Assessoria de Comunicação da distribuidora informou ainda que a Shell não vê motivos para ser penalizada com uma multa de até R$ 6 milhões, uma vez que o produto não chegou a ser descarregado.
   

 O navio Moselle, procedente da Venezuela, atracou no terminal maranhense na última terça-feira, mas foi impedido de descarregar porque testes preliminares indicavam que o óleo não estava dentro das especificações da ANP.

Na última quinta-feira um exame confirmou que as 45 mil toneladas estavam fora das especificações da Agência de Petróleo. Além da Shell, o óleo atenderia os clientes da BR, Esso, Ipiranga, Shell/Petróleo, Sabbá e Texaco.
    

Com a confirmação de que a carga está fora dos padrões, o setor de operações da Empresa Maranhense de Administração Portuária (Emap) solicitará que o navio Moselle seja fundeado na Baía de São Marcos, até que a embarcação volte para a Venezuela.
    

A retenção da carga fez com que cerca de 50 caminhões-tanque se concentrassem na área próxima ao Porto do Itaqui à espera do produto. Alguns caminhões são de outros estados, cujo abastecimento é feito pelo Porto do Itaqui, que atende as regiões Norte e Nordeste. 

Neste sábado à tarde o movimento de caminhões já havia diminuído, graças ao carregamento emergencial da Petrobras. A expectativa é de que até domingo o abastecimento esteja normalizado.