Macron alerta Turquia a não usar ação contra curdos para invadir a Síria

Arquivado em: Destaque do Dia, Europa, Mundo, Últimas Notícias
Publicado quarta-feira, 31 de janeiro de 2018 as 13:41, por: CdB

A Turquia considera a YPG uma organização terrorista e uma extensão do proscrito Partido dos Trabalhadores do Curdistão (PKK), que mantém uma insurgência no sudeste turco

Por Redação, com Reuters – de Paris:

O presidente francês, Emmanuel Macron, alertou a Turquia que sua operação contra milícias curdas no norte da Síria não deve servir como desculpa para invadir o país e disse querer que Ancara coordene sua ação com seus aliados.

O presidente francês, Emmanuel Macron

Na semana passada, a Turquia lançou uma ofensiva aérea e terrestre no noroeste sírio, visando a milícia curda YPG na região de Afrin, o que abriu uma nova frente de batalha na guerra civil de sete anos e tensionou os laços com os aliados de Ancara na Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan).

– Se acontecer de esta operação tomar outro rumo que não seja combater uma ameaça terrorista em potencial à fronteira turca e se tornar uma operação de invasão, isto se torna um problema de verdade para nós – disse Macron em uma entrevista ao jornal Le Figaro publicada nesta quarta-feira.

A Turquia considera a YPG uma organização terrorista e uma extensão do proscrito Partido dos Trabalhadores do Curdistão (PKK); que mantém uma insurgência no sudeste turco de maioria curda há três décadas.

Operação

O primeiro-ministro turco, Binali Yildirim, defendeu a operação; dizendo que ela almeja somente garantir a segurança de sua nação e proteger árabes; curdos e turcomenos de “organizações terroristas”.

– Se a França estiver interpretando a questão assim (como uma operação de invasão); precisamos avaliar o que eles fizeram na Síria do mesmo modo – disse Yildirum em uma coletiva de imprensa ao lado do premiê libanês, Saad al-Hariri, em Ancara.

– Esta é uma ideia distorcida desde o início. O mundo todo sabe que a Turquia não está agindo com uma mentalidade invasiva. Eles deveriam saber disso.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *