Mais de 43 mil pessoas morreram na Síria desde janeiro de 2017

Arquivado em: Destaque do Dia, Mundo, Últimas Notícias
Publicado quarta-feira, 23 de maio de 2018 as 12:23, por: CdB

Esses civis perderam a vida em ataques das forças leais ao presidente Bashar al Assad, da Rússia e da Turquia, além de nas prisões do governo e em ações de facções opositoras

Por Redação, com EFE – do Cairo:

Pelo menos 43.572 civis e combatentes morreram na Síria de janeiro de 2017 até esta quarta-feira por causa do conflito e, nesse mesmo período, as forças governamentais recuperaram o controle de mais de 80 mil quilômetros quadrados do território, informou nesta terça-feira o Observatório Sírio de Direitos Humanos.

Pelo menos 43.572 civis e combatentes morreram na Síria de janeiro de 2017 até esta quarta-feira por causa do conflito

A ONG detalhou que entre as vítimas mortais estão 14.460 civis, dos quais 3.070 eram menores e 2.090 mulheres.

Esses civis perderam a vida em ataques das forças leais ao presidente Bashar al Assad, da Rússia e da Turquia, além de nas prisões do governo e em ações de facções opositoras.

Forças

Por outra parte, a fonte explicou que, desde o início de 2017, as forças governamentais, com apoio da Rússia e outros aliados; recuperaram o controle de mais 80 mil quilômetros quadrados; razão pela qual agora controlam mais de 111.400 quilômetros quadrados do território sírio.

O avanço das tropas e dos seus aliados aconteceu às custas das derrotas do grupo terrorista Estado Islâmico (EI); assim como de facções opositoras e islamitas sírias, acrescentou o Observatório.

Desta forma, as autoridades recuperaram o controle total das províncias de Damasco e As-Suwayda, no sudoeste do país; expulsaram as facções armadas da província de Homs e do sul da de Hama; ambas no centro do país, e ampliaram sua presença na de Idlib, no noroeste.

O exército sírio declarou ontem que controla totalmente a província de Damasco; pela primeira vez desde 2012, após derrotar os jihadistas do grupo Estado Islâmico; que ainda controlavam uma parte do sul da capital.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *