Major Olímpio critica filhos de Bolsonaro e fala sobre crise no PSL

Arquivado em: Política, Últimas Notícias
Publicado sexta-feira, 11 de outubro de 2019 as 12:17, por: CdB

O líder do governo no Senado também falou sobre os filhos de Bolsonaro e criticou a permanência de Flávio Bolsonaro no PSL.

Por Redação, com Agências de Notícias – de São Paulo

“Sem o PSL, o presidente Jair Bolsonaro não existiria”, disse o líder do PSL, Major Olímpio, nesta sexta-feira, durante Solenidade de Formatura do Curso Superior de Tecnólogo de Polícia Ostensiva e Preservação da Ordem Pública I/19 (Curso de Formação de Sargentos), no Anhembi, em São Paulo. Para o parlamentar, “o presidente deixar o PSL é a mesma coisa que alguém morar sozinho e fugir de casa”.

– O presidente deixar o PSL é a mesma coisa qe alguém morar sozinho e fugir de casa. O PSL é dele! PSL cresceu muito por conta do Jair Bolsonaro. Mas sem PSL e sem Bivar, não existiria

Para Major Olímpio, o que está desgastando muito o presidente são filhos com mania de príncipes
Para Major Olímpio, o que está desgastando muito o presidente são filhos com mania de príncipes

o presidente Jair Bolsoanro – disse.

Major Olímpio aproveitou e falou também sobre a participação dos filhos de Bolsonaro no governo e sobre o desejo de ver Flavio Bolsonaro fora do partido.

– Gostaria que o Flávio saísse? Gostaria. Nunca escondi isso de ninguém. E outra coisa: nós apoiamos o presidente Bolsonaro. Não reconheço no país ainda monarquia, dinastia, filho príncipe, nada disso. Aliás, o que está desgastando muito o presidente são filhos com mania de príncipes – disse Major Olímpio.

As críticas também foram para o deputado Eduardo Bolsonaro. Para Olímpio, Eduardo promoveu uma “conspiração” para criar conflitos entre o pai e o PSL.

Em setembro, o senador Major Olímpio, deixou claro ao diário conservador paulistano, O Estado de S. Paulo, que já pensava em pedir a saída de Flávio Bolsonaro, filho do “chefe”, do partido. Olímpio disse que “quem tem que cair fora do PSL é o Flávio, não a senadora Juíza Selma”.

Segundo Olímpio, a saída de Flávio Bolsonaro da legenda se deve ao fato dele “trazer vergonha” ao não assinar o requerimento de criação da CPI da Lava Toga. “Nós que representamos a bandeira anticorrupção do Presidente. Eu tentei convencê-la (senadora Juíza Selma, que após ser agredida por Flávio Boslonaro está deixando o PSL para se filiar ao Podemos) a ficar e resistir conosco. Quem tem que cair fora do PSL é o Flávio, não ela. Gostaria que ele saísse hoje mesmo”, afirmou ao diário.

Apesar de defender a saída de Flávio Bolsonaro do partido, o Major Olímpio descartou a possibilidade de ingressar com uma representação no Conselho de Ética pelo fato dele não ter transgredido nenhuma das normas do partido. Para ele, o que o filho do presidente fez ao partido foi “só trazer muita vergonha a nós (partido)”.

Outro que expôs o racha interno no partido, o deputado federal Alexandre Frota foi expulso do PSL e se filiou ao PSDB. Frota, ex-integrante das hostes bolsonaristas na Câmara, saiu atirando contra a direção da legenda e o próprio Jair Bolsonaro, a quem chamou de “hipócrita”.

Permanência no PSL

Na quarta-feira, presidente Jair Bolsonaro minimizou a crise com o PSL e afirmou nesta quarta-feira que “por enquanto” continua no partido.

– Por enquanto, eu continuo – afirmou ao sair do Palácio do Planalto e ser abordado por jornalistas.

– Não tem crise. Briga de marido e mulher, de vez em quando acontece. Tudo bem – completou.

Apesar de negar a crise, o presidente recebeu nesta quarta, fora da agenda, um grupo de deputados do partido que tem formado uma dissidência contra o presidente da sigla, deputado Luciano Bivar.

Ao sair do encontro, os advogados Admar Gonzaga, ex-ministro do TSE, que tem atuado como conselheiro do presidente, e Karina Kufa, advogada pessoal de Bolsonaro, afirmaram que ele está “desconfortável” no PSL e acusaram o partido de falta de transparência.

Bolsonaro negou que tenha problemas com o partido.

– O problema não é meu, o pessoal quer um partido diferente, atuante. Este partido está estagnado. Não tem crise, não tem o que alimentar. Não tem confusão nenhuma – afirmou.

Na terça-feira, o presidente ajudou a alimentar a crise que vem crescendo no PSL ao dizer a um apoiador, na frente do Alvorada, que esquecesse o partido e seu presidente, Luciano Bivar, que estaria “queimado”.

Depois, o presidente deu outra explicação para a questão.

0 Falei para o garoto: ‘Esquece o PSL.’ Por quê? Ele é pré-candidato a vereador, se começar a falar em partido é campanha antecipada, isso que eu falei para ele. – afirmou.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *