Malala Yousafzai pede que líderes mundiais adotem ação no Afeganistão

Arquivado em: América do Norte, Destaque do Dia, Europa, Mundo, Últimas Notícias
Publicado terça-feira, 17 de agosto de 2021 as 14:10, por: CdB

Malala, de 23 anos, sobreviveu a um tiro na cabeça disparado por um atirador paquistanês do Talebã em 2012 depois de se tornar visada por sua campanha contra os esforços do grupo para negar educação às mulheres.

Por Redação, com Reuters – de Cabul

Malala Yousafzai, Prêmio Nobel da Paz, disse estar profundamente preocupada com a situação do Afeganistão, em particular com a segurança de mulheres e meninas, e fez um apelo para que líderes mundiais adotem uma ação urgente.

Ela manifesta preocupação com a segurança de mulheres e meninas

Yousafzai disse que o presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, “tem muito a fazer” e que precisa “dar um passo ousado” para proteger o povo afegão, acrescentando que está tentando contatar vários líderes globais.

– Esta é uma crise humanitária urgente para a qual precisamos fornecer nossa ajuda e apoio – disse Malala ao programa Newsnight da rede BBC na segunda-feira.

Educação às mulheres

Malala, de 23 anos, sobreviveu a um tiro na cabeça disparado por um atirador paquistanês do Talebã em 2012 depois de se tornar visada por sua campanha contra os esforços do grupo para negar educação às mulheres.

Ela se tornou conhecida como uma menina de 11 anos que escrevia um blog sob um pseudônimo para a BBC no qual relatava como era viver sob o jugo do Taliban paquistanês.

– Estou profundamente preocupada com a situação do Afeganistão, especialmente com a segurança de mulheres e meninas lá – disse Yousafzai ao Newsnight.

– Tive a oportunidade de conversar com alguns ativistas do Afeganistão, incluindo ativistas dos direitos das mulheres, e eles estão compartilhando sua preocupação de não estarem certos de como sua vida será.

Malala disse que enviou uma carta ao primeiro-ministro do Paquistão, Imran Khan, pedindo que ele acolha refugiados afegãos e faça com que todas as crianças refugiadas “tenham acesso à educação, tenham acesso a segurança e proteção, que seus futuros não sejam perdidos”.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

code