Maluf imagina estar no segundo turno com Genoíno do PT

Arquivado em: Arquivo CDB
Publicado domingo, 11 de agosto de 2002 as 14:08, por: CdB

Candidato do PPB ao governo do Estado de São Paulo, Paulo Maluf disse neste domingo que aposta na queda do adversário Geraldo Alckmin (PSDB), e da disputa no segundo turno com José Genoíno (PT). “Se Alckmin continuar caindo nas pesquisas, iremos para o segundo turno com Genoíno”, frisou. Ele não comentou sobre as diferenças da disputa com um e outro candidato, mas chamou Alckmin de “frouxo e banana”, várias vezes, enquanto andava em meio a eleitores, de manhã, no Mercado Público Municipal Antônio Meneghini, Vila Formosa, Zona Leste de São Paulo.

O presidente estadual do PPB, Jesse Ribeiro, que acompanhou Maluf, reafirmou que no primeiro turno das eleições presidenciais o Partido liberou seus eleitores. Já no segundo turno, o PPB deverá avaliar as propostas dos candidatos e optar. Nesse caso, nenhuma sigla está descartada, incluindo-se aí PT e PSDB, adversários maiores no Estado de São Paulo. “Não temos restrições a nada. Se não houver união em torno do bem comum, o País não vai para a frente”, explicou Jesse Ribeiro.

Segurança
O idealizador do programa Tolerância Zero, implantado em Nova York, William Braton, foi convidado pelo PPB para mostrar ao público paulistano como conseguiu reduzir a violência na cidade norte-americana. O presidente estadual do PPB, Jesse Ribeiro, disse que se Paulo Maluf, ganhar as eleições, o Tolerância Zero será implantado em São Paulo.

O político afirmou que o programa não apenas combate a violência como também gera empregos. “A redução da violência em Nova York levou à cidade 18 novos hotéis, com seis mil quartos, restaurantes e trabalho aos motoristas de táxis, todos sempre lotados”, disse o político. Ele não considerou o período de 11 de setembro para cá, após os atentados terroristas.

Sobre a geração de empregos no Estado, Maluf e Ribeiro disseram que se o PPB assumir o poder, serão retomados os programas de incentivos, com redução de impostos para empresas que já se foram e queiram voltar e também para a atração de novas. “Perdemos investimentos porque tivemos um governo fraco, frouxo, banana, nos últimos oito anos”, considerou Maluf.

Vale do Silício paulista
Jesse Ribeiro assinalou que as indústrias de informática estarão na mira. “Queremos transformar São Paulo em um Vale do Silício, porque é esse tipo de indústria que mais empregará nossos jovens, que hoje cursam a faculdade”, explicou. O “cemitério de galpões” em que se tranformou a Região do Grande ABC, disse o presidente, deverá ser usado para abrigar esse tipo de indústria.

Já para Paulo Maluf, a força está nas exportações. “O empréstimo do FMI ao Brasil é uma aspirina, conseqüência da política equivocada. Para atrair os dólares necessários é preciso exportar”, falou o candidato. Ele não comentou, porém, qual o impacto da política monetário, financeira e econômica do atual governo federal sobre o próximo governo estadual.

Palestra
A palestra de William Braton será realizada amanhã, às 14h, no Hotel Maksoud Plaza, na capital paulista. O evento será aberto ao público, e o PPB convidou também os secretários estadual e municipal de Segurança Pública.

Pedágio
Entre outras promessas da campanha de Maluf, está a de liberar o pedágio a caminhões e ônibus, das 23h às 6h da manhã, todos os dias. Ele não explicou como o seu governo irá ressarcir as concessionárias, que têm direito assegurado por lei à cobrança das tarifas.

Hospital
O tenente aposentado da Polícia Militar, Emílio Inácio, de 64 anos, reclamou sobre as condições da Saúde em Vila formosa, bairro da zona Leste de São Paulo. Ele fazia compras no mercado, quando Paulo Maluf visitava o local. Emílio Inácio disse que o bairro quer ver reativado o Hospital da família Iazzetti, o único da Vila Formosa, que foi desativado em 1998, e até hoje ostenta três prédios de 300 leitos vazios. “Temos que recorrer ao Pronto Socorro do Tatuapé, a 18 quilômetros daqui, quando há uma emergência”, contou o aposentado.

Aliás, “devido às promessas dos polí