Manifestantes interditam universidades em Hong Kong

Arquivado em: Ásia, Manchete, Mundo, Últimas Notícias
Publicado quarta-feira, 13 de novembro de 2019 as 10:45, por: CdB

Dezenas de policiais da tropa de choque tentaram dispersar as multidões perto da bolsa de valores, lançando algumas pessoas no chão e agredindo outras com cassetetes.

Por Redação, com Reuters – de Hong Kong

Manifestantes antigoverno de Hong Kong paralisaram partes do polo financeiro asiático pelo terceiro dia seguido, nesta quarta-feira, e algumas linhas de transportes, escolas e muitos negócios deixaram de operar, depois que a polícia alertou que o agravamento da violência atingiu níveis mortais.

Policial atinge manifestante antigoverno com cacetete durante protesto em Hong Kong
Policial atinge manifestante antigoverno com cacetete durante protesto em Hong Kong

Cerca de 1 mil manifestantes interditaram ruas do centro do distrito comercial na hora do almoço. Usando trajes de escritório e máscaras proibidas, eles marcharam e lançaram tijolos em ruas que abrigam algumas das propriedades e lojas de artigos de luxo mais caras do mundo.

A frase “Estamos em 4 de junho de 1989” foi rabiscada nas vitrines da loja de moda Georgio Armani, uma referência à repressão de tropas chinesas a manifestantes pró-democracia na Praça da Paz Celestial de Pequim.

Dezenas de policiais da tropa de choque tentaram dispersar as multidões perto da bolsa de valores, lançando algumas pessoas no chão e agredindo outras com cassetetes.

Pequim

Manifestantes e policiais se enfrentaram em universidades durante a noite de terça-feira poucas horas depois de uma autoridade de alto escalão da polícia dizer que a cidade sob controle chinês estava “à beira do colapso total”.

Os manifestantes estão revoltados com o que veem como brutalidade policial e interferência de Pequim nas liberdades garantidas pela fórmula “um país, dois sistemas”, adotada quando a ex-colônia britânica voltou ao comando chinês em 1997.

A China negar interferir e acusou países ocidentais, como Reino Unido e Estados Unidos, de atiçarem tumultos.