Manifestantes marcham no Wisconsin contra o racismo e a violência policial

Arquivado em: América do Norte, Destaque do Dia, Mundo, Últimas Notícias
Publicado domingo, 30 de agosto de 2020 as 15:08, por: CdB

Jacob Blake Sr., pai do homem negro de 29 anos que foi alvejado por um policial branco no último domingo, o que gerou protestos em todo país, pediu aos manifestantes que evitassem saques e vandalismo.

Por Redação, com Reuters – de Kenosha, WI-EUA

Cerca de mil pessoas marcharam por Kenosha, no Estado norte-americano de Wisconsin, no sábado, cantando “Black Lives Matter” e “No Justice, No Peace”, enquanto o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, anunciou planos de visitar na próxima semana a cidade que tem sofrido com a violência urbana.

Manifestantes protestaram contra os atos de violência racista nos EUA, durante a noite passada
Manifestantes protestaram contra os atos de violência racista nos EUA, durante a noite passada

Jacob Blake Sr., pai do homem negro de 29 anos que foi alvejado por um policial branco no último domingo, o que gerou protestos em todo país, pediu aos manifestantes que evitassem saques e vandalismo, depois que atos de violência ofuscaram os protestos pacíficos antes de uma calmaria, ainda que tensa, nas últimas três noites.

— As boas pessoas desta cidade entendem. Se destruirmos algo, não teremos nada. Parem com isso. Mostrem ao menos por uma noite que não precisamos destruir nada — disse ele a uma multidão e um parque que foi o centro de protestos em apoio a seu filho, Jacob Blake Jr.

Manifestações

Os tiros em Blake, na frente de três de seus filhos, transformaram a cidade predominantemente branca de 100 mil habitantes ao sul de Milwaukee no mais recente ponto de inflamação em um verão repleto de manifestações nos EUA contra a brutalidade policial e o racismo.

Trump, que assumiu uma postura linha-dura contra os protestos, visitará Kenosha na terça-feira para se encontrar com policiais e avaliar os danos, disse um funcionário da Casa Branca a repórteres.

— O que eu gostaria de dizer ao senhor presidente é que os membros do Black Lives Matter não são os bandidos, nem os saqueadores. Ele está nos culpando, e não é assim que as coisas devem ser — disse Clyde McLemore, fundador de um grupo do movimento antirracista na área de Kenosha.

Blake sobreviveu aos tiros dos policiais, mas ficou gravemente ferido e paralisado da cintura para baixo. Ele provavelmente participará de uma audiência por meio de vídeo de seu quarto de hospital na próxima semana a respeito das acusações criminais que antecederam o ataque dos policiais, disse seu advogado à agência inglesa de notícias Reuters no sábado, acrescentando que ele se declarará inocente.