Manifestantes protestam contra plano de austeridade de Macri na Argentina

Arquivado em: América Latina, Destaque do Dia, Mundo, Últimas Notícias
Publicado sexta-feira, 11 de janeiro de 2019 as 12:46, por: CdB

Macri cortou subsídios para serviços públicos para reduzir o crônico déficit fiscal do país, elevando o preço do gás e da eletricidade em mais de 2 mil por cento desde o início de seu mandato, segundo estimativas da mídia local.

Por Redação, com Reuters – de Buenos Aires

Dezenas de milhares de argentinos protestaram em Buenos Aires na quinta-feira carregando lampiões, na primeira de uma série de manifestações planejadas contra o programa de austeridade do presidente Mauricio Macri e o crescente custo de serviços públicos.

Manifestante protesta em Buenos Aires contra o alto custo da energia elétrica

Macri cortou subsídios para serviços públicos para reduzir o crônico déficit fiscal do país, elevando o preço do gás e da eletricidade em mais de 2 mil %  desde o início de seu mandato, segundo estimativas da mídia local.

Os preços devem subir ainda mais este ano.

– As pessoas não conseguem pagar as contas. Todas as medidas tomadas pelo governo vão contra os trabalhadores  disse Pablo Moyano, líder de um sindicato de motoristas de caminhão, durante o protesto.

Manifestações semanais estão planejadas até o início de fevereiro, aumentando a pressão para que Macri solucione a crise econômica do país antes da eleição presidencial no final do ano.

No ano passado, quando a economia se contraiu e a inflação se aproximou de 50 por cento, com o peso perdendo cerca de 50 por cento de seu valor, Macri firmou um impopular acordo com o FMI para receber US$ 57 bilhões em troca do compromisso de reduzir o déficit.

O protesto

Os manifestantes de quinta-feira, cerca de 20 mil segundo testemunhas, carregavam imagens de Macri e cartazes com os dizeres: “Basta do programa de austeridade de Macri/FMI” à medida que passavam pelo monumento do obelisco da cidade a caminho do Congresso.

Os protestos foram organizados por um sindicato de motoristas de caminhão e por uma federação de sindicatos, e contaram com a participação de membros de partidos de esquerda e de argentinos independentes.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *