Manuela D’Ávila: Esquerdas têm tudo para vencer as próximas eleições

Arquivado em: Política, Últimas Notícias
Publicado terça-feira, 27 de março de 2018 as 16:23, por: CdB

O debate do PcdoB e das esquerdas não deve ser em torno de nomes. E, sim, de um programa. “Basta dizer que, desde 1945, nosso partido não tinha uma candidatura presidencial”, afirmou Manuela D’Ávila.

 

Por Redação, com Sputniknews – de Porto Alegre

 

“A esquerda brasileira tem todas as condições de sair vitoriosa do pleito deste ano e conquistar a Presidência da República pela quinta vez”. A afirmativa é da deputada estadual Manuela D’Ávila (PCdoB-RS), pré-candidata à sucessão do presidente de facto, Michel Temer.

Pré-candidata a presidente da República, Manuela D'Ávila acredita que as esquerdas terão um bom momento
Pré-candidata a presidente da República, Manuela D’Ávila acredita que as esquerdas terão um bom momento

Em entrevista exclusiva à agência russa de notícias Sputniknews, Manuela D´Ávila assegurou que as esquerdas estão unidas e, por isso; têm condições de chegar ao Palácio do Planalto. Ex-deputada federal e eleita deputada estadual em 2014, a parlamentar gaúcha revelou como o PCdoB escolheu seu nome para disputar a Presidência da República em 2017.

Congresso

Por sinal, esta será a terceira vez em que o partido disputará o cargo máximo: a primeira foi em 1930 com o então vereador pelo Rio de Janeiro Minervino Oliveira; e a segunda oportunidade aconteceu em 1945. O então prefeito de Petrópolis (RJ) Iedo Fiúza foi o candidato comunista.


— O PcdoB realizou em 2017 como realiza a cada 4 anos o seu congresso nacional. O congresso é o momento em que debatemos e atualizamos a nossa política. E, nessa ocasião, refletimos e fazemos ajustes sobre o nosso Projeto Nacional de Desenvolvimento. Sobretudo, ajustes que se dão no novo momento do ciclo político que se abre com o golpe sofrido pela (presidenta deposta) Dilma (Rousseff) em 2016.

Então, o debate do PcdoB não é em torno de nomes. E, sim, de um programa. Basta dizer que, desde 1945, nosso partido não tinha uma candidatura presidencial. Então, há 20 anos, quando me filiei ao PCdoB, não achava que seria justamente eu essa pessoa. Aquela que iria romper essa tradição de sete décadas do partido fora do grande pleito nacional.

Planalto

Então, primeiro fizemos um debate programático. Depois, a militância do nosso partido decidiu, de forma consensual. No congresso realizado em novembro, em Brasília, ficou decidido que o meu nome era o mais adequado para levar em frente esse volume de ideias; contido no Projeto Nacional de Desenvolvimento do PCdoB — relembra.

Aos 36 anos de idade e há mais de 20 militando na política, Manuela D´Ávila garante que as esquerdas estão unidas. Por isso, reúnem todas as condições de recuperar a principal cadeira do Palácio do Planalto:

— Com relação à disputa em si, eu acredito que a esquerda brasileira tem plenas chances de chegar ao segundo turno. E sair vitoriosa das eleições. O projeto que é representado por este setor ultraliberal nunca foi vitorioso nas urnas.

Eles (os governantes atuais) não submeteram ao crivo popular a proposta da reforma trabalhista; a retirada de direitos sociais do povo brasileiro. E não conseguirão submeter. É impossível que o povo faça a opção por esse projeto atrasado e antipopular. Disso surge a possibilidade de nós vencermos a eleição pela quinta vez consecutiva — concluiu.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *