Mark Zuckerberg apaga conta no Signal após número vazar

Arquivado em: Destaque do Dia, Internet, Redes Sociais, Tablet & Celulares, Tecnologia, Últimas Notícias
Publicado terça-feira, 6 de abril de 2021 as 14:10, por: CdB

O vazamento do Facebook, que expôs informações de 533 milhões de usuários, também revelou uma curiosidade. De acordo com um teste realizado pelo pesquisador de segurança Dave Walker, o CEO da rede social, Mark Zuckerberg, tinha cadastro no Signal, mensageiro rival do WhatsApp.

Por Redação, com agências de notícias – de São Francisco

O vazamento do Facebook, que expôs informações de 533 milhões de usuários, também revelou uma curiosidade. De acordo com um teste realizado pelo pesquisador de segurança Dave Walker, o CEO da rede social, Mark Zuckerberg, tinha cadastro no Signal, mensageiro rival do WhatsApp. A conta do executivo, porém, foi encerrada após a descoberta que veio a público no domingo.

O CEO da rede social, Mark Zuckerberg, tinha cadastro no Signal, mensageiro rival do WhatsApp

A existência do cadastro foi relatada pelo pesquisador em seu perfil do Twitter. Pela rede social, um usuário questionou se o executivo, que também teve seu número de celular revelado, possuía conta no Signal. Em seguida, Walker apresentou uma captura de tela de uma conversa com Zuckerberg pelo aplicativo de mensagens.

Na mesma sequência de tweets, o pesquisador explicou que não enviou mensagens ao executivo. A conta de Mark Zuckerberg, no entanto, não ficou no ar por muito tempo: “Ontem, a conta foi encerrada”, disse Dave Walker pelo Twitter nesta terça-feira.

Questionado pelo Android Authority, o Facebook não comentou sobre o assunto.

Vazamento do Facebook expôs 533 milhões de usuários

A descoberta parte de um vazamento que revelou informações de 533 milhões de usuários. Entre os dados expostos, estão o nome, cidade, e-mail e data de nascimento dos atingidos pelo incidente. Conforme apurado pelo Tecnoblog, a base reúne informações de cerca de 8 milhões de brasileiros, incluindo o número de celular.

Os dados estão sendo fornecidos gratuitamente em fóruns da internet e partem de uma falha no recurso “Adicionar amigo” do Facebook. De acordo com uma análise de Zlatan Ivanov, o incidente envolvendo atingiu mais de 90% dos usuários de países como Arábia Saudita, Egito, Ilhas Maurício, Itália, e Marrocos.

– Esses são dados antigos revelados anteriormente em 2019; encontramos e corrigimos esse problema em agosto de 2019 – afirmou uma porta-voz do Facebook.