O massacre como política

Arquivado em: Opinião, Últimas Notícias
Publicado quinta-feira, 26 de setembro de 2019 as 09:36, por: CdB

O Rio de Janeiro assiste, entre estupefato e impotente, ao verdadeiro caos que tomou o lugar de uma política de segurança que há muito é esperada pela sociedade fluminense. O aumento da atuação de milícias, o despreparo da polícia e um governo que tem na bala a solução para o combate ao crime fazem de nosso estado uma bomba relógio prestes a explodir.

Por Jandira Feghali – do Rio de Janeiro

A isso se soma um perigoso discurso de que todos os que moram em favelas, comunidades e em habitações inseguras o fazem conscientes dos riscos e, por isso, suas vidas não importam. Ora, deste discurso equivocado, sustentado pelo racismo estrutural, para as ações em curso no Rio de Janeiro é um pulo.

Um massacre que trata a vida das pessoas como perdas necessárias

Helicópteros sobrevoam uma comunidade. Munidos de fuzis, policiais disparam a esmo provocando desespero, pânico, indignação e, não raras vezes, vítimas. Colocam no alvo a vida de moradores e crianças nas escolas. Tratam todos os que lá vivem como bandidos, afinal, “se não fossem criminosos, não morariam em áreas comandadas pelo tráfico e pelas milícias”.

A que ponto chegamos?

Uma política de segurança que beira o terrorismo de Estado. Que tem como foco o extermínio. Um governador que comemora a morte como prova de êxito de seu delírio armamentista. Um governo cego às necessidades do povo do Rio de Janeiro e que age na contramão da proteção à vida.

O tráfico e as milícias

O tráfico e as milícias crescem e aterrorizam os moradores também pelo vácuo do estado nas comunidades. Não é só pela falta de uma política de segurança. E quando o Estado entra, é só pela polícia, orientada para abater.

Falo daquilo que deveria nortear a gestão de qualquer governo comprometido. Falo de investimentos, oportunidades, emprego, educação, arte. Falo de planejamento urbano, dignidade para o bem viver. Falo de capacidade e compreensão dos desafios.

Há muito a situação dessas comunidades saiu do controle e a intervenção federal não foi capaz de alterar este cenário. Quem paga por esse descontrole é a população. São as pessoas que, na falta de opção, vivem amedrontadas, acuadas e, agora, olham com pavor para o céu na expectativa de escapar da próxima rajada.

Quem deterá o governador Witzel? Com certeza não será sua humanidade, já que comprovou não lhe restar nenhuma.

É preciso transformar nossa indignação em protestos e ações institucionais e políticas suficientemente fortes para impedir esse massacre. Um massacre que não é solução para o grave problema de segurança que nosso estado vive.

Um massacre que trata a vida das pessoas como perdas necessárias. Um massacre que afetará a vida de jovens e crianças pelo trauma ou pela convivência com essa política de morte. Um massacre que provoca a destruição de famílias diante das perdas. Precisamos, sim, de ações dos órgãos públicos para enfrentar ações criminosas.

O Rio é mais. É vida. É respeito aos seus cidadãos e cidadãs. Todos eles. Os que tiveram oportunidades e os que por elas aguardam. Um governante que não tem isso como certeza é um mau governante. E isto o Rio de Janeiro não merece.

Jandira Feghali é médica, deputada federal (RJ) e líder da oposição na Câmara.

As opiniões aqui expostas não representam necessariamente a opinião do Correio do Brasil

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *