Megaleilão: consórcio da Petrobras vence bloco Búzios com chinesas

Arquivado em: Destaque do Dia, Energia, Últimas Notícias
Publicado quarta-feira, 6 de novembro de 2019 as 12:09, por: CdB

Várias empresas, incluindo Total e BP, retiraram-se do leilão ou disseram que os ativos são caros.

Por Redação, com Reuters – do Rio de Janeiro

O consórcio Petrobras/CNODC/CNOOC arrematou nesta quarta-feira o bloco de Búzios, no pré-sal da Bacia de Santos, durante a Rodada de Licitações do Excedente da Cessão Onerosa, com a oferta mínima de 23,24% de excedente em óleo à União, informou a Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP).

O consórcio pagará R$ 68,2 bilhões em bônus de assinatura à União pelo bloco —o mais importante da licitação
O consórcio pagará R$ 68,2 bilhões em bônus de assinatura à União pelo bloco —o mais importante da licitação

Não houve outra oferta pelo bloco, no qual a Petrobras será operadora com 90% de participação. Com a vitória, o consórcio pagará R$ 68,2 bilhões em bônus de assinatura à União pelo bloco —o mais importante da licitação. Considerando sua participação no consórcio, a Petrobras pagará R$ 61,38 bilhões.

O campo de Búzios já está em produção pela Petrobras, que tem o direito de explorar até 3,15 bilhões de barris de óleo equivalente no ativo, volume já declarado comercial pela petroleira, a partir do contrato original da cessão onerosa.

Os volumes excedentes do ativo, no entanto, poderão ser explorados pelo consórcio vencedor.

Em ambos os campos, a Petrobras exerceu direitos de preferência para ser operadora, com uma participação de pelo menos 30% em qualquer consórcio vencedor. Esses dois campos juntos têm um bônus mínimo de assinatura de cerca de 70 bilhões de reais.

Ainda assim, muita coisa está no ar, principalmente nos dois blocos em que a Petrobras não exerceu direitos de preferência: Sépia e Atapu. Na quarta-feira, o ministro de Minas e Energia, Bento Albuquerque, até levantou a possibilidade de que esses dois blocos não recebam ofertas.

Várias empresas, incluindo Total e BP, retiraram-se do leilão ou disseram que os ativos são caros.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *