Meta diz que irá remover mais publicações direcionadas aos ‘sionistas’

Arquivado em: Destaque do Dia, Internet, Redes Sociais, Tecnologia, Últimas Notícias
Publicado terça-feira, 9 de julho de 2024 as 13:27, por: CdB

A política de discurso de ódio da Meta proíbe ataques diretos a pessoas com base no que chama de características protegidas, que incluem raça, etnia, filiação religiosa, deficiência e identidade de gênero, entre outras.

Por Redação, com Reuters – de São Francisco

A Meta disse nesta terça-feira que começará a remover mais publicações direcionadas aos “sionistas”, onde o termo é usado para se referir ao povo judeu e aos israelenses, em vez de representar apoiadores do movimento político.

Meta expande política de discurso de ódio para remover mais publicações direcionadas a “sionistas”

A controladora do Facebook e do Instagram disse em uma publicação em um blog que removerá conteúdo “atacando ‘sionistas’ quando não fosse explicitamente sobre o movimento político” e usasse estereótipos antissemitas ou ameaçasse causar danos por meio de intimidação ou violência dirigida contra judeus ou israelenses.

A política de discurso de ódio da Meta proíbe ataques diretos a pessoas com base no que chama de características protegidas, que incluem raça, etnia, filiação religiosa, deficiência e identidade de gênero, entre outras.

Redes sociais

O gigante das redes sociais disse que as suas políticas existentes, que tratam o termo “sionista” como um representante do povo judeu ou israelita em apenas duas circunstâncias restritas, não abordam suficientemente as formas como as pessoas usam a palavra de forma mais ampla.

A atualização da política, que se segue às consultas da Meta com 145 partes interessadas que representam a sociedade civil e o mundo acadêmico em regiões globais, surge num momento em que as tensões aumentam no Oriente Médio no meio da guerra entre Israel e o Hamas.

A Meta tem sido criticada há anos pela forma como lida com conteúdos que envolvem o Oriente Médio, e essas críticas aumentaram ainda mais após o início da guerra, com grupos de direitos humanos acusando a empresa de suprimir conteúdos de apoio aos palestinos no Facebook e no Instagram.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *