Metallica mostra lado sensível em novo disco

Arquivado em: Arquivo CDB
Publicado segunda-feira, 2 de junho de 2003 as 21:50, por: CdB

Depois de duas décadas sendo uma das maiores bandas de hard rock da história, os integrantes do Metallica deram o passo mais radical de suas carreiras.

Alguns anos atrás, eles tiraram tempo para sentar juntos e conhecer uns aos outros. Com a banda correndo o risco de se desintegrar, os defensores incansáveis do metal pesado recorreram a um terapeuta que os inspirou a compartilhar seus sentimentos, abraçar uns aos outros e até mesmo resolver problemas que remetiam à infância de cada um.

Momentos emotivos como esses acontecem diariamente no programa de Oprah Winfrey, mas não foi seu lado sensível e carinhoso que fez o Metallica vender 80 milhões de discos.

A banda ganhou fama mundial com hinos sombrios como Creeping Death e Seek & Destroy. No palco, ela transmitia uma imagem de invencível, jorrando sobre os ouvintes um som com potência sinfônica.

O novo álbum St. Anger (Elektra), tem lançamento previsto para a semana de 9 de junho e revela um lado novo e vulnerável dos músicos, diz o baterista Lars Ulrich.

Para os fãs que talvez receiem que a banda está vivendo demais no reduto do liberalismo que é San Francisco, Ulrich disse:

– Quem não aceitar que é isso que o Metallica é agora, que pelo menos respeite e se afaste com educação.

Foi o que fez o baixista Jason Newsted no início de 2001. Ele pegou seus colegas de surpresa quando desistiu de tocar com a banda, após 14 anos frustrantes durante os quais foi impedido de tocar em outros projetos.

Ele chegou a ser maltratado pelos outros integrantes, que ainda lamentavam a perda de seu predecessor, Cliff Burton, morto num acidente sofrido pelo ônibus da banda em 1986.