Metrô do Rio tem menos de 30 mil cartões disponíveis para o réveillon

Arquivado em: Destaque do Dia, Rio de Janeiro, Últimas Notícias
Publicado segunda-feira, 30 de dezembro de 2019 as 09:32, por: CdB

Cerca de 82% dos 158 mil cartões especiais para embarque no Metrô Rio durante a festa de virada do ano já foram vendidos, segundo informações da concessionária.

Por Redação, com ABr – do Rio de Janeiro

Cerca de 82% dos 158 mil cartões especiais para embarque no Metrô Rio durante a festa de virada do ano já foram vendidos, segundo informações da concessionária. Com isso, restam menos de 30 mil cartões disponíveis para compra.

Réveillon em Copacabana deve atrair 2,8 milhões de pessoas
Réveillon em Copacabana deve atrair 2,8 milhões de pessoas

Para evitar transtornos durante a festa de final de ano de Copacabana, na zona sul da cidade, o embarque no metrô carioca, das 19h do dia 31 até as 5h do dia 1º, só será permitido para quem tiver comprado bilhete especial. A expectativa é que a festa atraia 2,8 milhões de pessoas.

Segundo o último balanço, divulgado pela concessionária Metrô Rio na noite de domingo, só havia bilhetes disponíveis para as faixas de horário das 19h (ida e volta), 22h (ida e volta), 23h (ida e volta e somente ida) e de 0h às 5h (somente volta).

Caso não se esgotem até lá, os bilhetes podem ser comprados até as 19h de terça-feira.

Último domingo do ano

Cariocas e turistas aproveitaram o último domingo de 2019 para ir à praia, tomar sol e também para fazer compras para as festas de ano-novo.

Apesar do movimento, ambulantes e comerciantes dizem que as vendas “estão devagar” e precisam recorrer a descontos e promoções para atrair os clientes.

– Muita promoção, muito desconto, povo tá pedindo desconto toda hora, mas vamos chegar lá – diz Maria Aparecida Borges, dona do quiosque Brasil Itália, em Copacabana.

A praia mais famosa do Brasil ficou lotada desde cedo, e Aparecida está otimista, pretende equiparar as vendas com as do ano passado. “Teve semana desse verão que não conseguimos vender nada, mas tem uns três dias que a praia ficou melhor, vamos ver.”

No Centro da cidade, na Rua do Riachuelo, a ambulante Maria Benedita Silva também está disposta a negociar preços com os clientes. “Calça de R$ 25 faço a R$ 20. Blusa do ano novo, que está saindo bastante, de R$ 22, até por R$ 15 eu estou vendendo”, diz.

Segundo Benedita, as ruas estão movimentadas, mas as vendas nem tanto. “Às vezes passo horas aqui sem vender nada, mas o que der para eu vender, seja R$ 10, R$ 5, já estou satisfeita, venho aqui todos os dias, até aos domingos”.

Festas em casa

Os clientes estão exigentes. Diante de uma prateleira de espumantes em um supermercado no centro da cidade, a empresária Thais Ribeiro, 36 anos, procura, pelo celular, os preços das bebidas em outros mercados. “Não dá para sair comprando o primeiro. Fiz uma pesquisa para tentar economizar um pouquinho”, diz.

Também para economizar, Thais e a namorada decidiram juntar os amigos e organizar uma festa de réveillon em casa. “O preço pesou bastante. O mais barato que encontramos foi R$ 600 por pessoa em um quiosque na praia. Como somos duas, ficaria R$ 1,2 mil. Agora, não vamos gastar nem R$ 500”.

Noêmia Alves, 60 anos, também vai passar o ano-novo em casa e, segundo ela, será uma festa especial. “Acabei de ganhar a chance de continuar viva. Viajei para passar o Natal em Minas Gerais e sofri um acidente. Deus me livrou. Eu e minha família saímos sem nenhum arranhão”, diz.

Para comemorar a vida, Noêmia se permitiu encher o carrinho de compras. “Aqui tem pão para rabanada, refrigerante, tender, pernil. Os preços não estão ruins, deu para fazer uma compra boa.”

Banho de mar

Gastando muito ou pouco, o que não pode faltar no último final de semana da década, segundo a dona de casa Janilce Oliveira, 53 anos, e a assistente administrativa Juliane Oliveira, 19, é um banho de mar.

– Para renovar as energias, acho que a praia é um ponto essencial. A gente vem aqui e já consegue se sentir melhor – diz Juliane. “O sol está muito gostoso. Copacabana é o mundo, está muito gostoso aqui”, complementa Janilce.

A passeio no Rio de Janeiro, a bancária Silvia Portela, 41 anos, e o operador de máquina agrícola, Cesar Ribeiro, 32 anos, concordam. Recém-casados, eles vieram de Ourinhos (SP) para passar as férias no Rio. “Um bom lugar para o ano-novo, para reiniciar, começar um projeto novo, começar a vida juntos”, diz Silvia.