México aplica primeira vacina contra coronavírus em uma enfermeira

Arquivado em: América do Norte, Destaque do Dia, Mundo, Últimas Notícias
Publicado quinta-feira, 24 de dezembro de 2020 as 13:26, por: CdB

O México aplicou nesta quinta-feira a primeira vacina contra a covid-19 em uma enfermeira de 59 anos, no início de um plano segundo o qual o governo disse que espera imunizar toda a população de 130 milhões de habitantes.

Por Redação, com Reuters – da Cidade do México

O México aplicou nesta quinta-feira a primeira vacina contra a covid-19 em uma enfermeira de 59 anos, no início de um plano segundo o qual o governo disse que espera imunizar toda a população de 130 milhões de habitantes.

México aplica primeira vacina contra a covid-19 em uma enfermeira
México aplica primeira vacina contra a covid-19 em uma enfermeira

O país recebeu na quarta-feira o primeiro embarque com 3 mil doses da vacina da norte-americana Pfizer de um pedido total de 34,4 milhões feito à farmacêutica que chegarão de forma escalonada.

– Estou um pouco nervosa mas muito feliz, é o melhor presente que poderia receber em 2020 – disse María Irene Ramírez pouco antes de ser vacinada.

– Isso me dá forças agora para seguir com mais segurança na frente dessa guerra invisível – completou a chefe de enfermagem da unidade de terapia intensiva de um hospital da capital.

Mortes

O México ocupa o quarto lugar no mundo entre os países com mais mortes pelo coronavírus, com 120.311, e 1.350.079 infectados.

– Hoje muda definitivamente a perspectiva, hoje temos a esperança de que com a vacina…começaremos a combater de maneira muito mais efetiva esse inimigo terrível da humanidade – disse na quinta-feira o subsecretário de Saúde, Hugo López-Gatell, no ato inicial da vacinação.

Cuba exigirá testes de covid-19 a visitantes

A partir de janeiro, Cuba exigirá que todos os viajantes que chegam à ilha apresentem teste negativo para covid-19, na tentativa de conter um aumento nas infecções por coronavírus após a reabertura de suas fronteiras no mês passado.

Cuba recebeu elogios por conter com sucesso o surto de coronavírus, ao isolar indivíduos suspeitos, rastrear contatos e monitorar a população e a doença.

No entanto, é preciso pesar a abertura, especialmente importante em um país dependente do turismo, com a necessidade de conter a propagação do vírus.

Agora, todos os viajantes devem apresentar o teste de PCR negativo realizado 72 horas antes da chegada a Cuba, segundo o escritório da Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS) em Havana.

A pandemia e as sanções mais duras dos EUA, além das ineficiências econômicas domésticas, mergulharam o país dependente de importações em uma crise que inclui escassez de produtos básicos.

A taxa diária de infecção per capita de Cuba continua baixa, apenas 15% da média mundial, de acordo com a publicação Our World in Data, mas dobrou no último mês, em grande parte devido a casos importados, segundo dados oficiais.

Cientistas cubanos

Cientistas cubanos disseram na terça-feira, em reunião com o presidente Miguel Díaz-Canel, que os casos podem chegar a 2.000 em meados de fevereiro se as condições atuais forem mantidas, informou a mídia estatal.

A ilha de 11 milhões de habitantes registrou na terça-feira um novo recorde de 142 casos positivos, quase metade deles importados, elevando o total acumulado para 10.384, com 139 mortes desde março.