Mianmar já protege rohingyas, diz partido governista após decisão de corte

Arquivado em: Ásia, Destaque do Dia, Mundo, Últimas Notícias
Publicado sexta-feira, 24 de janeiro de 2020 as 12:29, por: CdB

Mianmar tem adotado medidas para proteger os muçulmanos rohingyas, disse nesta sexta-feira um porta-voz do partido no poder, minimizando uma determinação da Corte Internacional de Justiça.

Por Redação, com Reuters – de Yangon

Mianmar tem adotado medidas para proteger os muçulmanos rohingyas, disse nesta sexta-feira um porta-voz do partido no poder, minimizando uma determinação da Corte Internacional de Justiça no dia anterior para que o país impeça atos genocidas contra a minoria étnica.

Refugiados rohingyas participam de orações em campo de Cox’s Bazar, em Bangladesh
Refugiados rohingyas participam de orações em campo de Cox’s Bazar, em Bangladesh

O tribunal de Haia ordenou que Mianmar proteja os perseguidos rohingyas de mais atrocidades e preserve evidências de supostos crimes, depois que Gâmbia, de maioria muçulmana, abriu um processo em novembro acusando Mianmar de genocídio.

– O governo já está cumprindo a maioria das ordens – disse Myo Nyunt, porta-voz da Liga Nacional pela Democracia, à Reuters, por telefone, sem dar detalhes.

– Mais uma coisa que precisamos fazer é enviar relatórios – afirmou ele, referindo-se a uma das várias medidas aprovadas pelo tribunal, exigindo que Mianmar escreva resumos regulares de seu progresso.

Mas ele disse que o governo civil, que comanda o país em conjunto com os militares em um embaraço constitucional que garante grandes poderes para o comandante em chefe, não pode controlar as tropas.

– Nas atuais circunstâncias políticas, temos dificuldades em resolver algumas questões, como a ordem em que o governo deve garantir que seus militares ou insurgentes armados não cometam genocídio ou tentem cometer genocídio contra rohingya ou bengali – declarou ele.

ONU

Mais de 730 mil rohingyas fugiram do Estado de Rakhine, oeste do país, para Bangladesh em 2017, para escapar de uma repressão liderada por militares que a ONU disse ter sido executada com intenção genocida. Mianmar alega que a campanha militar foi uma operação legítima de contra-insurgência lançada em resposta a ataques militantes contra forças de segurança.

Cerca de 600.000 rohingyas permanecem dentro de Mianmar, confinados em condições semelhantes ao apartheid em campos e aldeias, incapazes de acessar livremente a saúde e a educação.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *