Microsoft bane doações a republicanos que contestam vitória de Joe Biden para ‘promover a democracia’

Arquivado em: Destaque do Dia, Internet, Tecnologia, Últimas Notícias
Publicado sábado, 6 de fevereiro de 2021 as 10:57, por: CdB

Microsoft disse que seu comitê de ação política vai barrar todas as doações para legisladores republicanos que recusaram certificar a vitória eleitoral de Joe Biden, anunciando uma mudança de foco para “promoção da democracia”.

Por Redação, com Sputnik – de Nova York

Microsoft disse que seu comitê de ação política vai barrar todas as doações para legisladores republicanos que recusaram certificar a vitória eleitoral de Joe Biden, anunciando uma mudança de foco para “promoção da democracia”.

Microsoft disse que seu comitê de ação política vai barrar todas as doações para legisladores republicanos

A gigante tecnológica informou na sexta-feira que alteraria a mudança de política introduzida no mês passado, que congelava todas as contribuições políticas, mas mantendo a proibição para os céticos eleitorais do Partido Republicano, bem como para as organizações afiliadas que ecoam as alegações de fraude eleitoral generalizada, pelo menos até 2022.

– Vamos suspender contribuições para o período do ciclo eleitoral de 2022 para todos os membros do Congresso que votaram objeções contra a certificação dos eleitores – disse Fred Humphries, vice-presidente corporativo da empresa para assuntos do governo dos EUA, à “comunidade PAC” da Microsoft.

A Microsoft juntou-se a um movimento de gigantes corporativos para impedir doações para o mesmo grupo de legisladores republicanos na esteira do motim de 6 de janeiro no Capitólio.

A torneira do dinheiro

Entre as empresas que fecharam a torneira do dinheiro encontram-se instituições financeiras como Citibank, Goldman Sachs, JPMorgan Chase, State Street Corporation, Commerce Bank e Mastercard. Outras empresas, como a Amazon, Marriott, Nike, Blue Cross Blue Shield Association, AT&T e Google, também se juntaram à onda.

Além da suspensão em curso das doações monetárias, a Microsoft também observou que criaria um novo projeto denominado “Democracy Forward Initiative” (Iniciativa Promover a Democracia), que investirá no “trabalho que abordará as questões e políticas que são importantes para a preservação e promoção da democracia”. Embora a gigante tecnológica ainda tenha dado poucos detalhes sobre o que isso pode envolver, confirmou que buscaria “transparência pública, reforma do financiamento de campanhas e direitos de voto”.

Como parte de sua nova reforma progressiva, a Microsoft espera alcançar “outras empresas e organizações que desejam fortalecer a democracia”, sugerindo que uniria forças com outras corporações para implementar sua visão “democrática”, que, aparentemente, não tem lugar para os 147 legisladores republicanos que questionaram o resultado da eleição de novembro.