Os mil tons do Temer que importa – Pequena homenagem aos seus 80 anos

Arquivado em: Destaque do Dia, Opinião, Últimas Notícias
Publicado quarta-feira, 12 de dezembro de 2018 as 14:19, por: CdB

Comunista, oficial da Marinha e cassado em 1964, Milton tornou-se mais tarde destacado jornalista dos principais órgãos da imprensa brasileira, a começar pela lendária revista Realidade, passando pelo Jornal do Brasil, O Globo e TVE.

 

Por Gilberto Maringoni – de São Paulo

 

Contam que quando Milton Temer nasceu, apareceu um anjo torto – não numa goiabeira! – que pegou sua mão e lhe deu uma carga de 220 volts.

Milton Temer (PSOL-RJ) é típico personagem de um Rio de Janeiro em desaparecimento, mais moleque, boêmio e generoso. E indignado
Milton Temer (PSOL-RJ) é típico personagem de um Rio de Janeiro em desaparecimento, mais moleque, boêmio e generoso. E indignado

É a única explicação plausível para o garoto chegar agora aos 80 absolutamente pilhado e com pensamento faiscante como se fosse um adolescente.

Esse vilaisabelense universal é um senhor magro e não muito alto, bigode e cabelos brancos, olhos claros e curiosos, que dispara frases e definições com a rapidez de um AK-47. Na carteira de identidade é Jorge Milton Temer. Na vida prática, o Jorge ficou de fora. “Nada a ver com o tal do Michel Lulia”, esbraveja, referindo-se ao último sobrenome de outro Temer, o golpista que agora sai de cena.

Mandatos

Comunista, oficial da Marinha e cassado em 1964, Milton tornou-se mais tarde destacado jornalista dos principais órgãos da imprensa brasileira, a começar pela lendária revista Realidade, passando pelo Jornal do Brasil, O Globo e TVE. Como repórter, realizou coberturas internacionais na América Latina e na África.

Milton foi ativo militante do PCB, entre os anos 1960-80. Exilou-se por cinco anos na Europa, nos tempos mais ásperos da ditadura (1973-78) e cursou a famosa Escola de Quadros do Partido Comunista da União Soviética.

Após uma breve passagem pelo PSB, nosso personagem militou ativamente no PT, entre 1988 e 2003. Exerceu mandatos de deputado estadual constituinte (1987-91) e de deputados federal (1995-2003), destacando-se na luta contra as privatizações do governo FHC. “Eram tempos em que o PT fazia a diferença, mesmo com uma bancada pequena”, lembra.

O rompimento aconteceu após a chegada de Lula à presidência, por força do que ele define como desvio do ideário original de uma agremiação de esquerda. Logo, empenhou-se na fundação e construção do Partido Socialismo e Liberdade (PSOL), pelo qual foi indicado candidato a governador, em 2006, e ao Senado, em 2010.

Aniversário

Milton Temer é típico personagem de um Rio de Janeiro em desaparecimento, mais moleque, boêmio e generoso. E indignado.

João Saldanha (1917-1990), outro comunista ensolarado, finalizava suas crônicas e intervenções com um bordão famoso: “Vida que segue”.

Milton captou a essência do mote e cunhou sua versão: “Luta que segue”. A expressão sintetiza suas atividades incessantes, sua coragem física e um pensamento que teima em não se acomodar. Coisas de um garoto de mil e uma atividades que chega hoje à oitava década de sua turnê mundial.

Tenho o inigualável e invejável privilégio de me incluir – espero que não unilateralmente – em sua vasta confraria de amigos.

O aniversário é dele. Mas a felicidade de tê-lo próximo supera todas as festas.

Anos que seguem!

Gilberto Maringoni é jornalista e escritor.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *