‘Minhas queridas’: peça revive cartas de Clarice Lispector às irmãs

Arquivado em: Cultura, Últimas Notícias
Publicado sexta-feira, 12 de março de 2021 as 10:21, por: CdB

A nova temporada será de 19 a 28 de março, sextas às 20 horas e aos sábados e domingos às 19 horas. A montagem é uma homenagem à escritora nascida no povoado de Tchechelnik, na Ucrânia, que chegou ao Brasil com a família aos dois meses de idade, fixando residência em Alagoas e depois em Recife.

Por Redação – do Rio de Janeiro

Depois do Sucesso da temporada paulista, em 2020, Minhas Queridas entra em cartaz na Internet para celebrar a obra de uma das mais importantes escritoras da literatura brasileira.

Simone Evaristo e Marilene Grama em cena da peça “Minhas Queridas”

A nova temporada será de 19 a 28 de março, sextas às 20 horas e aos sábados e domingos às 19 horas. A montagem é uma homenagem à escritora nascida no povoado de Tchechelnik, na Ucrânia, que chegou ao Brasil com a família aos dois meses de idade, fixando residência em Alagoas e depois em Recife.

O espetáculo reúne trechos das cartas íntimas escritas por Clarice Lispector para as irmãs Elisa e Tânia, durante os 15 anos em que viveu no exterior, acompanhando o marido em missão diplomática.

Nas confidências trocadas com as irmãs, por quem nutria um amor incondicional, ela denuncia “um mundo de representação” e descreve, sem reservas, o período que viveu

“como esposa de diplomata”. Ficaram marcas profundas e transformadoras na vida da escritora, que morreu precocemente aos 57 anos, deixando um vasto legado de contos, crônicas e romances.

A montagem é uma realização da Cia. de Teatro Diversão & Arte, com direção e dramaturgia de Stella Tobar, direção musical e trilha original de Sérvulo Augusto, cenário de Kleber Montanheiro e figurinos de Carol Badra.

Marilene Grama e Simone Evaristo interpretam duas atrizes que estão montando um espetáculo e revelam o conteúdo da correspondência de Clarice, durante esse período da vida da escritora.

Sobre o espetáculo

“Minhas Queridas”

Minhas Queridas reflete o período em que Clarice Lispector, dos 24 aos 40 anos, viveu no exterior, ao lado do marido, o embaixador Maury Gurgel Valente. Foram 15 anos de correspondência com as irmãs, que moravam no Brasil. Nas cartas, a genial escritora expõe as lembranças e ressentimentos em relação aos pais e as consequências da emigração forçada, durante a guerra na Ucrânia; as angústias em relação à sua produção literária, a maternidade e o papel que representava como “mulher de diplomata”.

O texto revela uma experiência crucial na vida dessa mulher ucraniana, judia, naturalizada brasileira, trazendo à tona reflexões inspiradoras e profundamente humanas, capazes de emocionar os amantes da escritora e estimular o interesse de leigos em relação à obra clariceana.

Em 2018, o projeto foi contemplado com o PROAC – Edital de montagens inéditas, da Secretaria Estadual de Cultura e Economia Criativa. Em 2019, depois de 11 meses de pesquisa e ensaios, o espetáculo foi apresentado em 10 cidades do interior de São Paulo, com grande repercussão de público e ganhando destaque na imprensa do interior do Estado.

Como parte das comemorações do centenário de nascimento da Clarice, em 2020, o espetáculo realizou temporada no Sesc Pinheiros/SP, com lotação esgotada em todas as sessões.

A proposta de levar o espetáculo para outras cidades brasileiras acabou abandonada, por conta da pandemia da covid 19.

– Nossa homenagem aos 100 anos de nascimento dessa genial escritora não poderia ser interrompida de maneira tão traumática. Por isso, mesmo sem as sessões presenciais, longe do calor do público, decidimos retomar o espetáculo e fazer as adaptações necessárias para resgatar parte do legado literário de Clarice, usando as ferramentas possíveis em tempos de coronavírus. Para isso fomos buscar ajuda do talentoso diretor Thiago Vasconcelos, da Cia. Antropofágica, para a direção de filmagem – observa o produtor João Luís Gomes.

Para a diretora Stella Tobar, transmitir uma narrativa tão intimista como Minhas Queridas, em formato online, sempre será um desafio.

– Estamos aprendendo como o teatro pode dialogar com essa plataforma e a linguagem audiovisual. A filmagem prioriza planos mais próximos e conduz o olhar do espectador para que a beleza contida nas cartas seja transmitida com a mesma emoção e profundidade – acrescenta.

– Entrar em contato com a intimidade de Clarice Lispector por meio de cartas tão pessoais, as quais ela jamais imaginou que chegariam ao público é um deleite e uma responsabilidade ao mesmo tempo, quando a proposta é adaptá-las ao teatro. O período em que as cartas às irmãs foram escritas tem dores e delícias, e acho que o espetáculo opta por mostrar preferencialmente o momento difícil de uma escritora em adaptação à vida fora do país e sua dificuldade em escrever em meio às circunstâncias. Esse recorte foi uma escolha minha, o que mais me tocou na biografia dela nesse período”, lembra a diretora.

Temporada online e gratuita

De 19 a 28 de março

Sextas às 20h

Sábados e Domingos às 19h.

Todo dia um bate-papo sobre Clarice Lispector, após o espetáculo.

Mediação de Stella Tobar

19/3 – Eduardo Moreira – ator, diretor e fundador do Grupo Galpão de BH.

20/3 – Com a participação das atrizes Marilene Grama e Simone Evaristo.

21/3 – Yudyth Rosenbaum – Profa. Dra. em Literatura brasileira da USP.

26/3 – Com a participação das atrizes Marilene Grama e Simone Evaristo.

27/3 – Nádia Batella Gotlib – Escritora e biógrafa de Clarice Lispector.

28/3 – Paulo Flores – Diretor, ator e fundador da Tribo de Atuadores Ói Nóis Aqui Traveis de Porto Alegre

Transmissão pelo canal no YouTube da Cia. de Teatro Diversão &Arte (www.youtube.com/channel/UC4ExQTVrr_CAxZOgLi1-50w)

Facebook – Cia. de Teatro Diversão & Arte

(www.facebook.com/teatrodiversaoearte)

Sigam no Instagram – @teatrodiversaoearte

(www.instagram.com/teatrodiversaoearte)

Ficha Técnica

Direção e Dramaturgia: Stella Tobar

Elenco: Marilene Grama e Simone Evaristo

Direção Musical e Trilha Original: Sérvulo Augusto

Direção da Filmagem: Thiago Vasconcelos Cenário: Kleber

Montanheiro Figurinos: Carol Badra

Desenho de luz: Adriana Dham Vídeos: Stella Tobar Fotos: Eduardo Petrini e Matheus José Maria

Logo do espetáculo: Marcelo Tobar

Operação de Luz: Júlio Avanci

Operação de Som e Vídeo: Stella Tobar Comunicação

Mídias Sociais: Mauro Britto e Fernando Maffia Streamer: Gabriela Jeniffer

Tradutor Intérprete de Libras: Luccas Araújo

Diretor de Produção: João Luís Gomes Realização: Cia. de Teatro Diversão & Arte e Cooperativa Paulista de Teatro