Ministério Público revela que Queiroz pagava por cabos eleitorais de Flávio Bolsonaro com caixa 2

Arquivado em: Política, Últimas Notícias
Publicado segunda-feira, 9 de novembro de 2020 as 14:12, por: CdB

Segundo o MPE-RJ, Queiroz fez 15 transferências bancárias para os cabos eleitorais, no total de R$ 12 mil. Os depósitos aconteceram entre 3 de setembro e 8 de outubro de 2018, período de campanha eleitoral até o dia seguinte ao primeiro turno.

Por Redação – do Rio de Janeiro

O ex-policial militar aposentado Fabrício Queiroz pagava com dinheiro ilícito ao menos quatro cabos eleitorais da campanha de Flávio Bolsonaro (Republicanos-RJ) ao Senado, em 2018. Os promotores obtiveram provas documentais quanto aos suspeitos, por meio de entrevistas gravadas, textos e vídeos. Os pagamentos constam da quebra de sigilo bancário de Queiroz, determinada pela Justiça do Rio de Janeiro, no âmbito da investigação do escândalo da ‘rachadinha’.

Fabrício Queiroz, ex-assessor de Flávio Bolsonaro
Fabrício Queiroz, ex-assessor de Flávio Bolsonaro, acompanha o chefe e faz ‘arminha’, na eleição de 2018

Segundo o Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro (MPE-RJ), Queiroz fez 15 transferências bancárias para essas pessoas, no total de R$ 12 mil. Os depósitos aconteceram entre 3 de setembro e 8 de outubro de 2018, período de campanha eleitoral até o dia seguinte ao primeiro turno.

No período eleitoral, o ex-assessor do parlamentar sacou R$ 63,8 mil em dinheiro – sendo 11 saques de R$ 5 mil cada e outros de menor valor. Não há evidências de como o valor foi utilizado. Nenhum dos pagamentos foi declarado à Justiça Eleitoral. Queiroz também é investigado por seu envolvimento com a milícia armada que domina bairros inteiros, nas Zonas Norte e Oeste do Rio.

‘Negócio do Queiroz’

Queiroz, preso desde o dia 18 de junho em Atibaia (SP), onde estava escondido em um imóvel que pertence a Frederick Wassef, então advogado do senador, primogênito do presidente Jair Bolsonaro (sem partido), afastado da defesa do parlamentar. O ex-assessor é investigado por envolvimento em um esquema de “rachadinha” que ocorria na Assembleia Legislativa do Rio, onde o filho de Jair Bolsonaro cumpria mandato de deputado estadual antes de ser eleito para o Senado.

Flávio Bolsonaro também foi citado, na noite passada, em reportagem do Fantástico, programa dominical da Rede Globo, em mensagens da ex-assessora de seu gabinete.

”Bateu direto naquele negócio do Queiroz” e “agora deu ruim” foram umas das mensagens de ex-assessora expostas pela emissora em meio a esquema de ‘rachadinha’ no qual está envolvido o filho do presidente do Brasil.

Top 4

As mensagens são atribuídas à ex-assessora do senador, Luiza Souza Pais, apontada como crucial para o MPE-RJ denunciar o senador por peculato, lavagem de dinheiro e organização criminosa.

Segundo reportagem, Luiza era uma funcionária fantasma que, com mais 11 assessores ligados a Flávio Bolsonaro, repassava grande parte do salário recebido na Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro (Alerj) para Fabrício Queiroz, no esquema de rachadinhas.

O vazamento das mensagens da ex-assessora está repercutindo, e já levou o filho do presidente do Brasil ao Top 4 dos assuntos mais comentados no Twitter, nesta segunda-feira.