Ministro olímpico do Japão renuncia após declarações ofensivas

Arquivado em: Destaque do Dia, Esportes, Esportes Olímpicos, Últimas Notícias
Publicado quarta-feira, 10 de abril de 2019 as 12:18, por: CdB

Abe decidiu recorrer ao deputado Shunichi Suzuki, que era ministro olímpico antes de Sakurada assumir o cargo em outubro passado, para preencher a vaga, informou a emissora pública NHK.

Por Redação, com Reuters – de Tóquio

O ministro olímpico do Japão, Yoshitaka Sakurada, pediu demissão nesta quarta-feira depois de fazer comentários que ofenderam pessoas afetadas pelo forte terremoto seguido de tsunami que provocou danos em uma usina nuclear em 2011.

Yoshitaka Sakurada, que renunciou ao cargo de ministro olímpico do Japão

A renúncia de Sakurada ocorre apenas um ano antes dos Jogos Olímpicos de Tóquio em 2020.

– O ministro Sakurada ofereceu sua renúncia, uma vez que fez comentários que ferem os sentimentos daqueles nas áreas afetadas pelo desastre – disse o primeiro-ministro Shinzo Abe a repórteres após aceitar a renúncia de Sakurada.

– É a política inabalável do governo Abe fazer tudo o que pudermos para recuperar, mantendo o contato com os sentimentos das pessoas em áreas afetadas por desastres… Como primeiro-ministro, gostaria de oferecer minha profunda desculpa pelo comentário.

Abe decidiu recorrer ao deputado Shunichi Suzuki, que era ministro olímpico antes de Sakurada assumir o cargo em outubro passado, para preencher a vaga, informou a emissora pública NHK.

Japão apresenta símbolo das Olimpíadas

O Comitê Organizador dos Jogos de Tóquio de 2020 apresentou no mês passado a tocha olímpica. Com design moderno, 71 centímetros e 1,2 kg, a tocha tem tons em dourado e rosa e formato de uma flor de cerejeira estilizada. O símbolo olímpico foi projetado de modo que as cinco chamas se encontrassem.

O comitê nomeou a cor sakura e ouro, sakura significa flor de cerejeira em japonês. A tocha é trabalho do designer Tokujin Yoshioka. A árvore cerejeira é símbolo do Japão e floresce em distintos períodos do ano, do sul ao norte do país. São mais de 200 tipos.

A tocha olímpica é feita de alumínio, com 30% de material reciclado de resíduos de construção de habitações temporárias de Iwate, Miyagi e Fukushima, destinadas a pessoas que perderam suas casas no terremoto e tsunami em 2011.

O artista plástico Yoshioka disse que quando fez o símbolo, pensou em pessoas afetadas pelo desastre, na recuperação mental e no desejo de paz. Segundo ele, a tocha foi projetada para brilhar com a luz do sol.

De acordo com o design, a expectativa é que os atletas, que farão o revezamento da tocha, também “brilhem e criem um caminho de esperança” por onde ela passar. O revezamento começará no dia 26 de março de 2020, no centro de treinamento de futebol da J-Village, em Fukushima.

A tocha percorrerá todas as 47 prefeituras do Japão, durante o período de 121 dias que anteceder a cerimônia de abertura, em 24 de julho de 2020.

Suspeitos de doping

Pelo menos 21 atletas de oito nações que competem em cinco esportes são suspeitos de doping sanguíneo ligado a um médico alemão que foi preso durante uma operação antidoping da Alemanha e da Áustria no mês passado, disse o procurador-geral do Estado de Munique, Kai Graeber, no mês passado.

Cinco atletas, incluindo dois austríacos, foram presos inicialmente em 27 de fevereiro durante o campeonato mundial de esqui nórdico no resort austríaco de Seefeld.

As prisões foram parte de uma operação conjunta da polícia alemã que visou um suposto esquema internacional de doping sanguíneo que se acredita estar sendo organizado na Alemanha.

Um médico da cidade alemã de Erfurt também foi preso, além de um total de cinco outros supostos cúmplices.

Graeber disse que o doping dos 21 atletas de cinco esportes, três de inverno e dois de verão, ocorreu a partir de 2011.

– O cronograma (do doping) é do final de 2011 a 2019 em Seefeld – disse ele em uma coletiva de imprensa.

– Há casos de três dígitos de sangue sendo tirado e depois sendo reinjetado em todo o mundo. Na Alemanha, Áustria, Itália, Suécia, Finlândia, Estônia, Croácia, Eslovênia e Havaí.

Nenhum detalhe sobre os nomes dos atletas ou dos esportes que praticam foi divulgado. A investigação está em andamento.

Desde as prisões, outros atletas austríacos foram implicados no doping sanguíneo, no início deste mês o ciclista Georg Preidler contou à polícia que tentou se dopar.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *