Ministro da Saúde nega pedido de prefeita para reabrir parques de Paris

Arquivado em: Destaque do Dia, Europa, Mundo, Últimas Notícias
Publicado terça-feira, 12 de maio de 2020 as 11:16, por: CdB

O ministro da Saúde da França, Olivier Véran, disse nesta terça-feira que parques e jardins permaneceriam fechados em Paris e na região metropolitana da capital francesa para limitar o risco de uma segunda onda de infecções por coronavírus.

Por Redação, com Reuters – de Paris

O ministro da Saúde da França, Olivier Véran, disse nesta terça-feira que parques e jardins permaneceriam fechados em Paris e na região metropolitana da capital francesa para limitar o risco de uma segunda onda de infecções por coronavírus, à medida que a França diminui gradualmente o confinamento em todo o país.

Pessoas em parque de Paris
Pessoas em parque de Paris

A reação de Véran ocorreu após a prefeita de Paris, Anne Hidalgo, pedir no Twitter a reabertura dos parques, fechados desde 17 de março, desde que as pessoas usassem máscaras.

O ministro fez a declaração depois que multidões de parisienses se reuniram às margens do moderno canal de Saint-Martin e do rio Sena na segunda-feira para comemorar o abrandamento da quarentena.

A polícia teve que dispersar as multidões, e o ministro do Interior, Christophe Castaner, mais tarde pediu à prefeitura que proibisse o consumo de bebidas no canal e nas margens do rio Sena.

O vírus continua circulando

– Ainda não acabou. O vírus continua circulando… Em vista das imagens de ontem a que você se refere nas margens do rio Sena… pode-se entender, mas isso pode ser perigoso – disse Véran a repórteres durante uma visita na região administrativa Ilha de França.

– Não, não vamos reabrir os parques e jardins de Paris, da Ilha de França e de regiões classificadas como vermelhas, porque pode ser extremamente tentador, com o sol que temos hoje, para as pessoas se reagruparem amplamente e não respeitar o limite de 10 pessoas, bem como o distanciamento social.

A França agora está dividida em “zonas verdes”, onde a taxa de infecção é baixa, e “zonas vermelhas”, incluindo a região da grande Paris, onde a taxa é mais alta e há mais restrições.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *