Modelo esportivo está ameaçado por ‘abordagem voltada para lucro’, diz Bach

Arquivado em: Destaque do Dia, Esportes, Esportes Olímpicos, Futebol, Últimas Notícias
Publicado terça-feira, 20 de abril de 2021 as 12:13, por: CdB

A estrutura existente do esporte europeu está ameaçada por interesses individuais e puro comercialismo, alertou o Comitê Olímpico Internacional (COI) nesta terça-feira, em uma referência velada à Superliga europeia.

Por Redação, com Reuters – de Londres

A estrutura existente do esporte europeu está ameaçada por interesses individuais e puro comercialismo, alertou o Comitê Olímpico Internacional (COI) nesta terça-feira, em uma referência velada à Superliga europeia.

Bach fez referência velada à criação da Superliga em congresso da Uefa

Doze dos principais clubes da Europa lançaram a Superliga dissidente no domingo, dando início ao que deve ser uma batalha amarga pelo controle da competição e de suas receitas com a Uefa, órgão que governa o futebol europeu, e a Fifa, do futebol mundial.

– A própria existência do modelo esportivo europeu está ameaçada. Ele está sendo desafiado por uma abordagem puramente orientada para o lucro que ignora os… valores sociais dos esportes e as necessidades reais no mundo pós-coronavírus – disse o presidente do COI, Thomas Bach, durante congresso da Uefa em Montreux, Suíça.

Bach, cuja organização teve que adiar em um ano a Olimpíada de Tóquio-2020 devido à pandemia, disse que o atual modelo existente permite que os clubes esportivos operem em todos os níveis, com as receitas das competições da elite alcançando os clubes amadores.

– Esse modelo desportivo europeu está ameaçado, porque a missão social das organizações desportivas está perdendo espaço para os objetivos puramente orientados ao lucro dos fornecedores e investidores desportivos comerciais – disse Bach.

Os clubes dissidentes

Os clubes dissidentes, seis da Premier League da Inglaterra e três da Espanha e da Itália – terão vagas garantidas na nova competição, ao contrário da Liga dos Campeões, que exige que as equipes se classifiquem por meio de suas ligas nacionais.

O banco de investimentos norte-americano JP Morgan está financiando a nova liga, fornecendo um subsídio de 3,5 bilhões de euros (US$ 4,2 bilhões) aos clubes fundadores para gastar em infraestrutura e recuperação do impacto da pandemia.

O presidente da Uefa, Aleksander Ceferin, descreveu o plano da Superliga como uma “cuspida na cara” de todos os amantes do futebol e pediu que os clubes e jogadores que nela vão competir fossem banidos de todas as competições da Uefa.

– Neste ambiente polarizado, o interesse individual mesquinho e o egoísmo têm ganhado terreno sobre a solidariedade, valores compartilhados e regras comuns. Precisamos de mais solidariedade – disse Bach.

– Essa lição se aplica a todos. Também se aplica ao esporte e às organizações esportivas. Se tudo for visto de uma perspectiva de negócios… então a missão social do esporte está perdida.