Moeda norte-americana amplia queda ante o real

Arquivado em: Negócios, Últimas Notícias
Publicado sexta-feira, 16 de agosto de 2019 as 11:24, por: CdB

Para especialista, o real está se beneficiando de um movimento global de valorização das moedas emergentes em relação ao dólar

Por Redação, com Reuters – de São Paulo

A moeda norte-americana ampliava perda contra o real nesta sexta-feira, um dia depois de registrar sua maior queda diária em um mês, indo abaixo da marca de R$ 4, em dia marcado por uma cena externa mais positiva para emergentes.

Às 10:01, o dólar recuava 0,09%, a R$ 3,9868 na venda. Na véspera, o dólar caiu 1,24%, a R$ 3,9903.

Às 10:01, o dólar recuava 0,09%, a R$ 3,9868 na venda. Na véspera, o dólar caiu 1,24%, a R$ 3,9903.
Às 10:01, o dólar recuava 0,09%, a R$ 3,9868 na venda. Na véspera, o dólar caiu 1,24%, a R$ 3,9903.

Segundo o estrategista de renda-fixa da Corretora Coinvalores Paulo Celso Nepomuceno, o real está se beneficiando de um movimento global de valorização das moedas emergentes em relação ao dólar, diante de um alívio iniciado no dia anterior com a melhora no tom da retórica comercial entre Estados Unidos e China.

O índice do dólar, que compara a moeda norte-americana contra uma cesta de moedas, mostrava valorização de 0,15% nesta sexta-feira, a 98,290.

Na cena interna, Nepomuceno destaca o cenário de avanço das pautas econômicas e afirma que isso ajuda a sustentar o tom positivo que vem de fora.

– O avanço nas reformas está acontecendo, estamos vendo taxas de juros menores e a expectativa é que o segundo semestre seja melhor que o primeiro – disse.

Após ser aprovada no início do mês em segundo turno na Câmara dos Deputados, a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) da reforma da Previdência está no Senado, onde terá primeiro de ser analisada pela Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Casa para depois ir a plenário. Para ser aprovada, a proposta precisará 49 votos favoráveis de senadores em dois turnos.

O Banco Central realiza nesta sessão leilão de até 11 mil contratos de swap cambial tradicional, correspondentes à venda futura de dólares, para rolagem do vencimento outubro de 2019.

Medida do Banco Central

Na quinta-feira, uma medida do Banco Central brasileiro influenciou a queda da moeda norte-americana. O BC decidiu mudar sua forma de atuar no câmbio, mas ainda monitorando o exterior, onde prevalecia a aversão ao risco ligada a temores de uma recessão global.

Esta será a primeira vez que o BC ofertará dólares das reservas sem compromisso de recompra desde fevereiro de 2009, conforme assessoria do BC. O BC não disponibiliza swaps reversos desde novembro de 2016.

O BC informou que, de 21 a 29 de agosto, fará ofertas simultâneas de US$ 550 milhões à vista e de igual montante em contratos de swap cambial reverso.

A atuação simultânea visa trocar, por dólar à vista, um total de US$ 3,8445 bilhões em swaps cambiais tradicionais que expiram em outubro e que ainda não foram rolados pelo Banco Central.

A queda da Selic para mínimas recordes e a expectativa de que a taxa básica de juros atinja patamares ainda mais baixos até o fim do ano não são os únicos motivos para a mudança no “modus operandi” do BC na forma de atuar no câmbio, mas certamente estão entre os mais básicos para essa alteração no modelo de intervenção, que passará a privilegiar o mercado à vista.

Ibovespa

A bolsa paulista mostrava ganhos nos primeiros negócios desta sexta-feira, embalada pela melhora nos mercados no exterior, com as ações da JBS e da BRF entre as maiores altas do Ibovespa, que recuperava os 100 mil pontos. Às 10:18, o Ibovespa subia 0,98 %, a 100.031,85 pontos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *