Morre George Blake, ex-espião britânico e agente soviético

Arquivado em: América do Norte, Destaque do Dia, Europa, Mundo, Últimas Notícias
Publicado sábado, 26 de dezembro de 2020 as 12:51, por: CdB

O lendário espião soviético George Blake, que trabalhou tanto para o Reino Unido quanto para a União Soviética durante a Guerra Fria, faleceu aos 98 anos. A confirmação da morte foi dada neste sábado por Sergei Ivanov, porta-voz do Serviço de Inteligência Externa (SVR).

Por Redação, com Sputnik – de Moscou

O lendário espião soviético George Blake, que trabalhou tanto para o Reino Unido quanto para a União Soviética durante a Guerra Fria, faleceu aos 98 anos.

Morre aos 98 anos o lendário agente soviético George Blake
Morre aos 98 anos o lendário agente soviético George Blake

A confirmação da morte foi dada neste sábado por Sergei Ivanov, porta-voz do Serviço de Inteligência Externa (SVR), à  agência russa de notícias Sputnik.

– Recebemos notícias amargas, o lendário George Blake se foi – disse.

O presidente russo, Vladimir Putin, expressou suas profundas condolências à família e amigos de Blake. A mensagem foi publicada no site do Kremlin.

“O coronel Blake foi um profissional excepcional, de coragem especial e resistência à vida. Ao longo dos anos de seus esforços árduos e extenuantes, ele deu uma contribuição verdadeiramente inestimável para garantir a paridade estratégica e a preservação da paz no planeta. (…) Nossos corações sempre guardarão a calorosa memória deste homem lendário”, diz o texto.

Serviço de inteligência britânico MI-6

Blake nasceu em 1922 nos Países Baixos e em 1942 chegou ao Reino Unido onde começou a trabalhar na Diretoria de Operações Especiais, em 1948 foi recrutado pelo serviço de inteligência britânico MI-6.

Em 1950, após a divisão da Coreia, Blake foi capturado e levado para a Coreia do Norte, onde passou três anos. Após sua libertação, o Reino Unido o enviou como agente duplo para Berlim, onde ele contatou a KGB e revelou informações sobre agentes do MI6 e também sobre operações no Reino Unido e nos Estados Unidos.

Ele foi capturado em 1961 e condenado a 42 anos de prisão em Londres, mas escapou quatro anos depois para se exilar na União Soviética.