Morre policial militar baleado na cabeça no Rio

Arquivado em: Polícia, Rio de Janeiro, Últimas Notícias
Publicado sexta-feira, 21 de setembro de 2018 as 14:21, por: CdB

Cruz havia sido baleado na última terça-feira durante um ataque de criminosos no Morro Camarista Méier, na Zona Norte do Rio.

Por Redação, com ABr – do Rio de Janeiro

O soldado da Polícia Militar (PM) Glauco Nunes da Cruz, que estava internado desde a última terça-feira, foi o 79º policial morto neste ano no Rio de Janeiro. Do total de agentes de segurança mortos, 73 eram policiais militares.

Soldado que estava internado há dois dias é 79º policial morto no Rio

Cruz havia sido baleado na última terça-feira durante um ataque de criminosos no Morro Camarista Méier, na Zona Norte do Rio. Ele estava em uma viatura que levava refeições para a Companhia Destacada da comunidade.

O soldado foi atingido na nuca e levado para o Hospital Naval Marcílio Dias. Ele chegou a ser operado e ficou dois dias na unidade de tratamento intensivo, mas morreu na noite de quinta-feira.

Além dos 79 policiais, já foram assassinados neste ano oito militares, um guarda municipal, dois bombeiros e quatro agentes penitenciários.

Arma capaz de furar blindagem de carro-forte

A Polícia Civil do Rio apreendeu na quinta-feira, na Barra da Tijuca, Zona Oeste da cidade, uma metralhadora antiaérea norte-americana Browning ponto 50. A arma é capaz de furar a blindagem de carro-forte e aeronaves e mede 1,68 metro e pesa 38 quilos. Ela dispara de 400 a 600 tiros por minuto, tendo uma precisão que alcança 1,5 quilômetro (km).

Na ação, dois homens que estavam com a arma foram presos. Essa metralhadora estava na favela da Rocinha, Zona Sul do Rio, há alguns meses e estava sendo negociada por R$ 200 mil para traficantes da comunidade Fallet Fogueteiro, no Rio Comprido, região central da cidade.

De acordo com o delegado Delmir Gouveia, titular da Delegacia de Roubos e Furtos de Cargas, responsável pela apreensão, outras metralhadoras calibre ponto 50 já foram apreendidas no Rio, mas essa é a primeira vez que uma arma dessa marca, de guerra, usada pelo Exército norte-americano, foi encontrada com o crime organizado.

O policial informou que os agentes vinham monitorando a arma que estava na favela da Rocinha há alguns meses. Segundo ele, o crime organizado sofre uma baixa com a perda dessa metralhadora. “A apreensão dessa arma significa uma baixa em razão do emprego que ela proporciona. Essa arma seria usada numa ação criminosa de vulto fora do Rio de Janeiro e a apreensão vai inibir essa ação criminosa, que é objeto da investigação, que nós estamos mantendo em sigilo. É uma baixa significativa de perda de poderio para eles”, disse o delegado Delmir Gouveia.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *