Morre, no Quênia, último rinoceronte-branco do norte e espécie entra em extinção

Arquivado em: Destaque do Dia, Energia, Meio Ambiente, Natureza, Últimas Notícias
Publicado terça-feira, 20 de março de 2018 as 13:45, por: CdB

O rinoceronte branco, que ficou conhecido como Sudan, nasceu em 1973, em Shambe, no Sudão do Sul.

 

Por Redação, com Ansa – de Nairóbi

 

O último rinoceronte-branco do norte do sexo masculino do mundo faleceu nesta terça-feira, aos 45 anos, no Quênia. De acordo com a rede norte-americana de TV CNN, com a morte de Sudan, como o animal era conhecido, restam apenas duas fêmeas da subespécie. Segundo comunicado da reserva natural OI Peteja, onde o rinoceronte vivia, Sudan tinha problemas de saúde decorrentes de sua idade avançada. Por isso, “a equipe veterinária tomou a decisão de praticar a eutanásia”, afirmou a instituição, em nota.

Sudan, como ficou conhecido o último rinoceronte-branco do norte, recebeu uma injeção letal. A subespécie está, oficialmente, em extinção
Sudan, como ficou conhecido o último rinoceronte-branco do norte, recebeu uma injeção letal. A subespécie está, oficialmente, em extinção

A porta-voz da reserva, Elodie Sampere, explicou que as amostras do material genético do animal foram mantidas em segurança para serem aplicadas nas espécies fêmeas, por fertilização in vitro; em uma tentativa de “salvar” as espécies em extinção. O rinoceronte branco nasceu em 1973, em Shambe, no Sudão do Sul.

Na época, havia cerca de 700 espécies vivas. No entanto, em 2008, a espécie do animal foi considerada extinta. Sudan viveu os últimos anos de vida na reserva no Quênia para ser protegido de caçadores.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *