Morte de Serguei causa tristeza aos roqueiros brasileiros

Arquivado em: Destaque do Dia, Rio de Janeiro, Últimas Notícias
Publicado sexta-feira, 7 de junho de 2019 as 14:05, por: CdB

Filho de um executivo da IBM e de uma dona de casa, Sergio Augusto Bustamente, Serguei, é considerado o roqueiro mais antigo do Brasil.

Por Redação, com ABr – do Rio de Janeiro

Morreu nesta sexta-feira o cantor Serguei, aos 85 anos. Ele estava internado no Hospital Regional do Médio Paraíba Doutora Zilda Arns Neumann, em Volta Redonda, no Estado do Rio de Janeiro. Sofria de Alzheimer e foi transferido no mês passado de Saquarema, onde morava, para Volta Redonda. A causa da morte não foi divulgada.

Morreu nesta sexta-feira o cantor Serguei, aos 85 anos

Filho de um executivo da IBM e de uma dona de casa, Sergio Augusto Bustamente, Serguei, é considerado o roqueiro mais antigo do Brasil. Nascido em 8 de novembro de 1933, até pouco tempo ainda estava em atividade com a sua banda Pandemonioum, em shows pelo país.

Entre as façanhas contadas pelo artista, consta que assistiu ao lendário festival de rock em Woodstock, nos Estados Unidos, nos anos 1960; ciceroneou Janis Joplin em sua visita ao Brasil, e é considerado cantor oficial do grupo Hell’s Angels.

Serguei cresceu na Tijuca, na Zona Norte do Rio, mas na adolescência foi morar com a avó materna no Estados Unidos. Ganhou o apelido de Serguei na infância porque um amigo, que era russo, não conseguia pronunciar o seu nome correto.

De volta ao Brasil, tentou emprego como bancário e comissário de bordo, mas percebeu que sua vocação era a música. No seu currículo, estão apresentações nas edições do Rock in Rio II, em 1991, e III, em 2001.

Fixou residência em Saquarema, na Região dos Lagos, no Estado do Rio, onde transformou a sua casa em um museu do rock.

Divino do rock

Serguei era o pseudônimo de Sérgio Augusto Bustamante, carioca nascido em 8 de novembro de 1933. Já gostava de rock desde o surgimento nos Estados Unidos, em meados dos anos 1950.

Em uma entrevista em 2007, contou como conheceu o ritmo. “Foi uma questão defeeling, de ouvir e pensar: “Que isso? Ah, que legal!’ Conheci Chuck Berry e seu rhythm and blues e a batida do rock ‘n roll, Little Richard e a sua beleza não só física, mas com charme e glamour, o que já não tem mais por aí. (A música) ‘Rock Around the Clock’ marcou muito a minha vida”,  disse.

Na adolescência, Serguei morou em Nova York e, antes de seguir a carreira musical, trabalhou como comissário de bordo de empresas de aviação, e, de acordo com uma de suas biografias, foi demitido por insistir em cantar rock para os passageiros, no sistema de som das aeronaves. “Era um hippie de jet-set. Pensava: como é que eu vou viajar o mundo?”, dizia.

Em 1982, mudou-se para Saquarema, onde criou o Templo do Rock. Além de receber hóspedes, permitia que os visitantes acampassem no quintal. Costumava marcar presença nos encontros de motociclistas e festivais de música independente para incentivar os novos talentos.

Frases famosas

Ao longo de cinco décadas, o roqueiro Sérgio Augusto Bustamante, o Serguei, tem aparecido em reportagens muitas vezes mais por suas excentricidades do que por seus feitos musicais. Entre uma alardeada conquista amorosa, duas participações nada comportadas no Rock in Rio e uma fracassada tentativa de virar político, muitas são as histórias que cercam o músico — e também muitas são as frases que ficaram na cabeça do público.

– Eu sei que sexo tradicional com uma árvore é humanamente impossível. O que rolou foi um baita tesão. Eu avistei a árvore e trocamos boas energias – disse ele, uma vez.

Sobre a icônica cantora e compositora Janis Joplin, ele lembrou que “cantava num cabaré em Copacabana e a levei para lá numa noite, às três da madrugada. Não queriam deixá-la entrar, porque estava mal vestida. Mas cantou e arrebentou. Depois, ficamos nos amando na praia. Quando soube da sua morte, chorei uma semana”.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *