Mortes por coronavírus no Reino Unido chegam a 53.077

Arquivado em: Destaque do Dia, Europa, Mundo, Últimas Notícias
Publicado terça-feira, 16 de junho de 2020 as 14:52, por: CdB

O número de mortes por covid-19 no Reino Unido atingiu 53.077, de acordo com uma contagem da Reuters a partir de dados oficiais que reiteram o status do país como um dos mais atingidos no mundo.

Por Redação, com ABr e Reuters – de Londres

O número de mortes por covid-19 no Reino Unido atingiu 53.077, de acordo com uma contagem da Reuters a partir de dados oficiais que reiteram o status do país como um dos mais atingidos no mundo.

País é um dos mais atingidos pelo novo coronavírus no mundo
País é um dos mais atingidos pelo novo coronavírus no mundo

A contagem da agência inglesa de notícias Reuters inclui mortes em que a covid-19 foi mencionada em atestados de óbito na Inglaterra, no País de Gales e na Irlanda do Norte até 5 de junho, além de menções na Escócia até 7 de junho. Os dados também incluem mortes hospitalares mais recentes.

O Instituto Nacional de Estatísticas Britânico (ONS, em inglês), que atualiza os números semanalmente, informou nesta terça-feira que o número de mortes envolvendo a doença respiratória na Inglaterra e no País de Gales até 5 de junho subiu para 47.820.

Número de óbitos

O elevado número de óbitos provocou críticas à conduta do primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, em relação à pandemia, com partidos da oposição e alguns cientistas dizendo que o Reino Unido demorou a impor uma quarentena ou proteger os idosos em casas de repouso.

Epidemiologistas dizem que o excesso de mortalidade, por todas as causas que excedem a média de cinco anos pela primeira vez em 2020, é a melhor maneira de medir os óbitos por um surto de doença, já que é comparável internacionalmente.

Embora esses números demorem mais para serem compilados, o Reino Unido também parece enfrentar dificuldades nesse índice.

Cerca de 64,5 mil pessoas a mais do que o habitual morreram no Reino Unido durante a pandemia deste ano, de acordo com os dados mais recentes disponíveis, disse Nick Stripe, chefe de Análise de Saúde do ONS.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *