Mortes diárias pelo coronavírus sobem na Espanha

Arquivado em: Destaque do Dia, Europa, Mundo, Últimas Notícias
Publicado sexta-feira, 17 de abril de 2020 as 13:12, por: CdB

A Espanha divulgou nesta sexta-feira novos números da covid-19 no país, com 585 mortes nas últimas 24 horas, chegando a 19.478 vítimas.

Por Redação, com EFEReuters – de Madri

A Espanha divulgou nesta sexta-feira novos números da covid-19 no país, com 585 mortes nas últimas 24 horas, chegando a 19.478 vítimas. Além disso, segundo o Ministério da Saúde local, foram registradas novas 5.252 infecções pelo novo coronavírus, atingindo a marca de 188.068 casos da doença desde o início da crise.

Voluntária faz entrega de compras de supermercado para idosos em El Masnou, na Espanha
Voluntária faz entrega de compras de supermercado para idosos em El Masnou, na Espanha

No entanto, essas diferenças não correspondem se tomarmos como referência os dados desagregados fornecidos pelo Ministério, segundo os quais mais 348 mortes teriam ocorrido, uma discrepância reconhecida em entrevista coletiva pelo diretor do Centro de Coordenação de Alertas e Emergências em Saúde, Fernando Simón.

Simón explicou que o Ministério está solicitando informações mais detalhadas das comunidades autônomas para tentar unificar os critérios de contagem de dados, que até agora eram díspares, dificultando a obtenção de dados reais.

– Temos que ter unidade com as séries de dados” para podermos ver a evolução da pandemia, pois se os dados têm “muitas distorções, é difícil – explicou.

Na quinta-feira, o governo regional da Catalunha incluiu nos seus números de mortes por covid-19 não apenas aqueles que foram confirmados com testes, como indica o Ministério, mas também os que morreram com sintomas, o que distorceu a série.

No entanto, Fernando Simón considerou nesta sexta-feira que basear as definições de casos em sintomas “daria informações muito distorcidas sobre a realidade”.

– Estamos tentando corrigir as séries para que as fontes que estamos utilizando sejam homogêneas – disse, alertando que nos próximos dias ainda haverá distorções nos dados fornecidos pelo Ministério.

Para tentar resolver esse problema, o Ministério da Saúde publicou nesta sexta-feira uma ordem para todas as Comunidades Autônomas (regiões) fornecerem dados harmonizados sobre casos registrados (apenas aqueles que foram testados), mortes (indicando se tinham sintomas ou não), internações em Unidades de Terapia Intensiva e material remanescente, entre outras escalas.

Famílias mais pobres

A Espanha planeja pagar uma renda mensal básica para cerca de um milhão das famílias mais pobres do país para ajudá-las a enfrentar o impacto do novo coronavírus, disse o ministro da Previdência Social, José Luis Escrivá, nesta sexta-feira.

Aqueles que receberem a renda básica, a ser aprovada pelo gabinete em maio, terão incentivos para encontrar trabalho, como a permissão para combinar a quantia mensal com os salários de um novo emprego durante certo período, disse Escrivá à estação de rádio COPE.

– Sem incentivos para encontrar um emprego, há uma tentação de esgotar o salário e não olhar para o mercado de trabalho – disse ele.

Ainda não foi decidido quanto será pago por mês e Escrivá se recusou a dizer quanto custaria ao governo, embora tenha afirmado que a medida seria financiada com nova dívida pública.

Ele acrescentou que até um quinto das famílias espanholas têm uma renda inferior a 246 euros por mês.

O Partido Socialista e seu parceiro de extrema-esquerda, Unidas Podemos, concordaram em janeiro em criar a renda básica como parte de seu programa de quatro anos, embora a crise da covid-19 tenha mudado as prioridades.

Escrivá disse que levaria semanas para que a burocracia do governo começasse a pagar o novo benefício.

A economia espanhola perdeu 900 mil empregos durante as duas primeiras semanas de uma quarentena imposta em 14 de março para limitar a disseminação do novo coronavírus, elevando novamente o número oficial de desempregados ao patamar de três anos atrás.