Moscou diz que Israel apoia neonazistas em disputa sobre Ucrânia

Arquivado em: Europa, Manchete, Mundo, Últimas Notícias
Publicado terça-feira, 3 de maio de 2022 as 11:25, por: CdB

Israel criticou Lavrov na segunda-feira, dizendo que sua afirmação, feita ao falar sobre o presidente ucraniano Volodymyr Zelenskiy, que é judeu, era uma falsidade “imperdoável” que reduzia os horrores do Holocausto nazista.

Por Redação, com Reuters – de Moscou

O Ministério das Relações Exteriores da Rússia acusou Israel nesta terça-feira de apoiar neonazistas na Ucrânia, aumentando ainda mais uma disputa que começou quando o chanceler da Rússia, Sergei Lavrov, afirmou que Adolf Hitler tinha origens judaicas.

O Ministério das Relações Exteriores da Rússia acusou Israel de apoiar neonazistas na Ucrânia

Israel criticou Lavrov na segunda-feira, dizendo que sua afirmação, feita ao falar sobre o presidente ucraniano Volodymyr Zelenskiy, que é judeu, era uma falsidade “imperdoável” que reduzia os horrores do Holocausto nazista.

Líderes de várias nações ocidentais criticaram os comentários de Lavrov, e Zelenskiy acusou a Rússia de ter esquecido as lições da Segunda Guerra Mundial.

O ministério russo disse em um comunicado que os comentários do ministro das Relações Exteriores de Israel, Yair Lapid, são “anti-históricos” e “explicam em grande medida por que o atual governo israelense apoia o regime neonazista em Kiev”.

Origens judaicas de Zelenskiy

Moscou reiterou o argumento de Lavrov de que as origens judaicas de Zelenskiy não impediam a Ucrânia de ser governada por neonazistas.

“O antissemitismo na vida cotidiana e na política não parou e, ao contrário, é alimentado (na Ucrânia)”, afirmou em comunicado.

Lavrov fez a afirmação sobre Hitler na televisão italiana no domingo, quando lhe perguntaram por que a Rússia disse que precisava “desnazificar” a Ucrânia se o próprio presidente do país, Volodymyr Zelenskiy, era judeu.

Israel expressou apoio à Ucrânia após a invasão russa em fevereiro. Mas, cauteloso sobre as relações com a Rússia, uma potência com influência na vizinha Síria, inicialmente evitou críticas diretas a Moscou e não impôs sanções formais aos oligarcas russos.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

*

code