Motoristas de vans fazem paralisação no Rio

Arquivado em: Rio de Janeiro, Últimas Notícias
Publicado terça-feira, 19 de junho de 2018 as 15:33, por: CdB

Segundo o Movimento em Defesa do Transporte Alternativo (MDTA), os profissionais reivindicam que a prefeitura conclua um processo de licitação, que teve início em agosto de 2016

Por Redação, com ABr – do Rio de Janeiro:

Motoristas de vans de várias regiões do Rio de Janeiro se dirigiram, em comboio, em direção à Câmara dos Vereadores, no Centro. Segundo o Movimento em Defesa do Transporte Alternativo (MDTA), os profissionais reivindicam que a prefeitura conclua um processo de licitação, que teve início em agosto de 2016, onde seriam emitidas 967 permissões e mais 828 no quadro de reserva.

A categoria reivindica ainda o cancelamento de multas aplicadas por operação fora de rotas previamente definidas

A Câmara promoveu nesta terça-feira audiência pública, a pedido dos motoristas, para discutir a questão, por isso os profissionais da categoria estão se deslocando em peso para o local. A ideia é pedir aos vereadores que pressionem a prefeitura.

Como forma de mobilizar a categoria, os motoristas também suspenderam o transporte de passageiros desde o primeiro minuto do dia. “A gente quer soluções definitivas para a categoria”, disse o representante do MDTA Vitor Rodrigues.

Comboios  partiram de vários pontos da cidade, como Jacarepaguá, da Zona Sul, de Bonsucesso e da Ilha do Governador. Os veículos devem estacionar nas ruas próximas à Câmara, como a Praça Paris e a Avenida Presidente Antônio Carlos, no centro da cidade.

Os profissionais

Paralisados desde a meia-noite, os profissionais reivindicam que a prefeitura conclua um processo de licitação, que teve início em agosto de 2016, no qual seriam emitidas 967 novas permissões e formado um quadro de reservas com 828 motoristas.

– Na Câmara Municipal vamos acompanhar a audiência pública junto a Comissão de Transportes para expormos os problemas que afetam a categoria e que não foram atendidas até o momento pela prefeitura – disse Vitor de Souza Rodrigues, representante do Movimento em Defesa do Transporte Alternativo (MDTA).

– A gente acredita que, por meio da Câmara, que é a casa do povo, os vereadores possam fiscalizar com mais afinco e cobrar do Executivo soluções definitivas para a nossa categoria. É uma luta que vem desde o governo passado sem que nossas reivindicações sejam atendidas.

Mais cedo, os motoristas saíram em comboio de diversas partes da cidade com destino à Câmara.

Ociosidade

Segundo Rodrigues, diversas linhas licitadas não dão retorno aos permissionários e também não atendem às reivindicações dos usuários.

– Nós queremos uma reorganização dos itinerários de modo que eles passem a ter rentabilidade, dando retorno e, ao mesmo tempo, atendendo à população. Podemos afirmar que 90% do sistema tem linhas operando de forma deficitárias. Em alguns casos são pequenos ajustes e em outros não tão pequeno assim devido ao tamanho da frota.

A categoria reivindica ainda o cancelamento de multas aplicadas por operação fora de rotas previamente definidas. Segundo Rodrigues, muitos motoristas têm feito outras rotas “para poder sobreviver” o que vem gerando penalidades.

Ele disse que a categoria vem solicitando à prefeitura que o monitoramento e a fiscalização sejam feitos por outras empresas que não estejam ligadas diretamente à Federação das Empresas de Transportes de Passageiros do Estado do Rio de Janeiro (Fetransport).

À Agência Brasil entrou em contato com a prefeitura do Rio de Janeiro e com a Secretaria de Transportes do município, mas até o momento da publicação desta matéria não obteve retorno.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *